Werdum celebra duelo com Rothwell e diz que luta no UFC 203 é estratégica

0
642

Brasileiro pediu para voltar no mesmo card em que Miocic fará sua primeira defesa de cinturão e desabafa sobre derrota no Brasil: “Nunca tinha levado um soco no queixo”

Depois de perder o cinturão dos pesados para Stipe Miocic na luta principal do UFC 198, em Curitiba, Fabricio Werdum só queria saber de voltar o quanto antes ao octógono. E o brasileiro já tem data para lutar novamente: dia 10 de setembro, no UFC 203, em Cleveland, nos EUA, contra Ben Rothwell, quinto colocado da divisão.

Em entrevista ao Combate.com nos bastidores das gravações de um longa-metragem, neste domingo, em Las Vegas, o brasileiro contou que já sabia que não receberia a revanche imediata contra Miocic e que, por isso, quanto antes voltar a vencer, mais perto se aproxima de recuperar o título.

– Na verdade, fui eu quem pedi para lutar no mesmo dia da luta do Stipe Miocic contra o Alistair Overeem, no dia 10 de setembro, pelo cinturão. Como estratégia, eu falei com o Ali, meu empresário, e disse que eu queria lutar no mesmo dia que eles iriam disputar o cinturão. Eu sei que o UFC não ia me dar revanche, então não tinha aquela expectativa da revanche certa, não queria ficar naquela expectativa da revanche e não fiquei. Tenho experiência suficiente pra não ficar naquela coisa de esperar a revanche e, de repente não rolar e ficar falando sobre isso. Preferi não falar, porque sabia que não ia acontecer mesmo. Falei com o mestre Rafael Cordeiro e, em princípio, eu iria enfrentar o Josh Barnett, mas não sei o que aconteceu que não fechou a luta, acho que ele já tinha algum compromisso, não tenho certeza, mas acho que era isso. E então me ofereceram o Ben Rothwell, e já está marcada para o dia 10 de setembro. Eu estou bem feliz, porque não quero ficar esperando, e pensei como estratégia já poder ganhar essa luta, porque eu fiquei com muita vontade de lutar – conta.

No bate-papo, “Vai Cavalo” também analisou a derrota para Miocic, falou do sentimento de frustração por perder em Curitiba, em um estádio lotado com mais de 45 mil pessoas, e desabafou sobre as críticas recebidas depois da derrota.

– Eu nunca tinha levado um soco no queixo, nunca tinha sido nocauteado dessa maneira no queixo, e aconteceu. As pessoas vão criticar, dizer: “Ah, o Werdum entrou muito eufórico, com muita ansiedade”. Realmente eu estava ansioso, mas não vou colocar a desculpa na ansiedade, não vou fazer isso, aconteceu, o cara foi melhor do que eu naquele momento e acabou.

Confira abaixo, dividido por tópicos:

Nocaute para Miocic

Eu não consegui lutar contra o Stipe Miocic, foi muito rápido, foram 2min30s e tiveram muitas críticas…As pessoas falaram que eu entrei muito forte, muito rápido, estava ansioso e eu acho que foi um pouco de tudo. Acho que aconteceram muitas coisas em pouco tempo, estava há muito tempo sem lutar…Não estou dando desculpas, estou falando para as pessoas que me criticaram que acontece.

Críticas após a derrota

Uma coisa que eu não gostei assim foi que as pessoas falaram que eu estava brincando demais, e não é que eu estava brincando demais. Eu consigo separar a hora da brincadeira e a hora de lutar. Não brinquei na hora de lutar, estava lutando sério. As pessoas também criticaram a campanha que eu fiz da “Happy Face”, mas para as pessoas que não sabem, tivemos 3 milhões e meio de publicações, a galera postando e falando sobre a “Happy Face”, então foi uma campanha muito boa, não teve nada a ver uma coisa com a outra, eu consegui separar as duas coisas. Separei realmente. Eu estava muito bem preparado, só que não pude mostrar isso, não pude mostrar que eu estava preparado no chão, em pé, tudo, e aconteceu. Justamente por isso que o peso-pesado é um peso espetacular, a galera vê que acontece um nocaute porque é muito peso, é muita força, tem a parte técnica e foi o que aconteceu, né? Eu nunca tinha levado um soco no queixo, nunca tinha sido nocauteado dessa maneira no queixo, e aconteceu. As pessoas vão criticar, dizer: “Ah, o Werdum entrou muito eufórico, com muita ansiedade”. Realmente eu estava ansioso, mas não vou colocar a desculpa na ansiedade, não vou fazer isso, aconteceu, o cara foi melhor do que eu naquele momento e acabou. Não tenho muito que ficar falando sobre o assunto, só queria poder falar isso para vocês.

Reação após perder o cinturão?

Claro que fiquei triste por um lado, óbvio que fiquei triste pela derrota, ninguém gosta de perder. Acho que uma derrota te faz dar três passos para trás, e quando você ganha você dá um passo para frente, mas no meu caso, não foram três passos para trás, acho que eu dei um passo para trás só, porque eu tenho essa oportunidade de poder lutar no dia 10 de setembro, que eu estou muito feliz, porque eu mesmo pedi para lutar rápido, para poder mostrar o quanto eu estou bem. Claro que, depois da luta fui descansar com a minha família, tudo isso, fiz o que tinha que fazer, estou fazendo alguns filmes, trabalhando na televisão ainda, então a minha vida continua, só que claro que com essa derrota, que eu não gostei e da qual eu já estou totalmente recuperado, não quero ficar falando sobre isso, quero poder falar da luta do dia 10 de setembro, que vai ser uma luta bem difícil também.

Duelo com Ben Rothwell

O Ben é um cara forte, não muito técnico, é bem perigoso. Tenho que fazer uma luta bem inteligente com ele e, com certeza, depois dessa luta, depois dessa derrota eu também estou com muito mais experiência, porque aprendi muito com essa derrota. Algumas pessoas, quando perdem, ficam em depressão, ou ficam falando só nisso, eu não, já coloquei para frente, já consegui jogar para o universo o que eu queria, e realmente está acontecendo. Então queria agradecer também, todo esse apoio que foi bem legal, o evento foi excelente, eu pude fazer o que eu queria, fazer  a homenagem para o Ayrton Senna. E também não tem nada a ver uma coisa com a outra, essa homenagem para o Ayrton Senna era uma coisa que eu queria mesmo, foi de coração, a campanha também, é tudo separado.  Estou muito feliz de lutar agora, dia 10 de setembro, ter essa nova luta.

Nova chance

Com certeza é um recomeço, como eu falei antes, eu aprendi muito com a derrota, essa coisa da ansiedade, de ficar muito tempo sem lutar, a gente está combinando para poder conversar todo mundo junto, o Cobrinha, o  Rafael Cordeiro, o meu irmão, o Babalu, a gente vai fazer um churrasco para poder conversar sobre isso. É importante mesmo a gente conversar porque ninguém tem culpa. Não tem essa de: “Ah a culpa é do treinador ou de não sei quem”. Não tem  o que dizer, aconteceu, o cara também estava preparado, me acertou um soco certeiro no queixo. E, se vocês notarem, não foi um soco muito forte, foi um soco colocado, e foi num momento de ataque meu. Eu estava ganhando a luta, tenho certeza, porque já assisti várias vezes depois. Eu estava ganhando, chutei bem, comecei muito atento. Normalmente, eu começo a luta meio dormindo, meio desativado e, dessa vez não, dessa vez eu estava bem na luta. Só que aconteceu num ataque meu e é no ataque que você se expõe. Só queria agradecer a galera mais uma vez pelo apoio, foram muito legais as mensagens que eu recebi. Claro que tem  minoria que critica, isso é normal. Mas o pessoal que critica e fala na boa: “Ah Werdum, você tinha que ter feito isso”, mas sem xingar, sem falar nada, não tem problema nenhum. Já as pessoas que xingam, essas já estão bloqueadas (risos).

Combate.com