Traficante suspeito de mais de 30 homicídios reage à prisão, e é morto em Rubiataba

0
720

“Di Menor”, como era conhecido, foi o braço direito de Tiago “Topeti” e seria responsável pela morte do segurança do cantor Leonardo, Marco Antônio Rezende, e do ex-líder da torcida do Goiás Esporte Clube, Evandro Rodrigues Cavalcante.  Atividades junto à quadrilha geravam lucros mensais que chegavam a R$ 100 mil. Durante operação, policiais prenderam esposa do criminoso que era foragida por tráfico de drogas

 

O jovem João Marcos Caetano de Oliveira, 19 anos, conhecido como “Di Menor”, morreu no inicio desta semana, 16, após entrar em confronto com policiais do Batalhão das Rondas Táticas Metropolitana (Rotam), na cidade de Rubiataba, a 220 km de Goiânia. Ele é apontado pela Polícia Militar como um dos maiores criminosos ainda em atividade no estado de Goiás. Responsável por pelo menos 13 homicídios, João Marcos é suspeito, ainda, de outros 20 assassinatos, além de ter 28 passagens pela polícia por latrocínio, tráfico de drogas, roubo, receptação e uso de documento falso.

O jovem era acusado de matar o segurança do cantor Leonardo, Marco Antônio Rezende, em julho de 2015, em uma tentativa de assalto, na feira livre da Vila União, em Goiânia. A polícia informou, também, que o acusado é responsável pela morte de Evandro Rodrigues, ex-presidente da torcida organizada Força Jovem, do Goiás Esporte Clube, Evandro Cavalcante, 37 anos, morto ao sair de casa no Parque Santa Rita, em setembro de 2014.

De acordo com o subcomandante da Rotam, major Daniel Aleixo, os policiais chegaram à casa do suspeito por volta das 17h30 desta segunda-feira (17/01), quando foi feita a abordagem. Di Menor morava com sua esposa, e ao ver a polícia tentou resistir à prisão, atirando contra os policiais, que revidaram e o atingiram. Ele chegou a ser levado ao hospital de Rubiataba, mas mão resistiu e morreu. A esposa, que também era procurada pela justiça por tráfico de drogas, foi presa pela Rotam, em cumprimento a mandado de prisão preventiva.

Na casa de Di Menor, em Rubiataba, os policiais encontraram porções de drogas, uma pistola de fabricação americana e um caderno com a contabilidade das atividades do grupo. A partir dos apontamentos, a polícia constatou que as atividades do traficante em Rubiataba junto à quadrilha geravam lucros mensais que chegavam a R$ 100 mil. “Mesmo longe de Goiânia, Di Menor continuava integrando a associação criminosa e mantendo contato direto com o líder”, afirmou o major Daniel Aleixo.

Segundo informou major Daniel Aleixo, Di Menor era membro de uma organização criminosa que, nos últimos anos, foi responsável por diversos assassinatos entre quadrilhas rivais, na disputa por pontos de drogas na região sudoeste e oeste de Goiânia. Preso em agosto de 2015, ele foi solto em setembro de 2016, e como estava ameaçado de morte devido à rixa com uma quadrilha inimiga, mudou de Goiânia para a cidade de Rubiataba, onde continuou praticando crimes.

Di Menor era considerado o braço direito do traficante Tiago “Topeti”, rival de Iterley Martins de Souza, preso em 2015 no estado do Ceará, de onde comandava o tráfico de drogas em Goiás. A polícia informou que “Topeti” está preso no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, mas que já há solicitação junto ao Poder Judiciário para que ele seja transferido para o presídio de segurança máxima em Campo Grande (MS).