Bem-vindo(a) à Aparecida de Goiânia
Direitos Humanos

Trabalhadores são resgatados de trabalho escravo em fazenda de alho em MG

Redação
15 de novembro de 2021

Uma ação conduzida pelo grupo móvel de fiscalização e combate ao trabalho escravo da Superintendência Regional do Trabalho (SRTb/MG) resgatou, esta semana, 76 trabalhadores em condições análogas à escravidão em uma fazenda de alho em Tapira (MG), que fica 400 km a oeste de Belo Horizonte (MG).

Os auditores-fiscais, que atuaram em conjunto com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Polícia Militar de Minas Gerais, constataram condições degradantes de trabalho e jornadas exaustivas.

Os empregados não tinham remuneração fixa: recebiam conforme a produção. Os alojamentos eram precários e apertados, com dez em cada quarto.

Eram apenas quatro banheiros para quase 80 trabalhadores. Sem opção, muitos deles faziam as necessidades no mato, a céu aberto.

Segundo as informações levantadas até o momento, os trabalhadores eram aliciados de forma irregular no norte de Minas Gerais. O nome da fazenda ou do empregador ainda não foi divulgado.

O trabalho na propriedade era realizado de domingo a domingo, em jornadas superiores a 70 horas semanais.

Os empregados tinham que pagar pelas ferramentas de trabalho, e nem todos dispunham de equipamentos de proteção individual.

Não foi verificada nenhuma medida de prevenção à covid-19, e os empregados tinham que compartilhar as garrafas térmicas porque não havia reposição de água durante a jornada.

Trabalhadores que tiveram que se deslocar para tomar vacina contra o novo coronavírus tiveram as horas de trabalho descontadas, segundo informações apuradas no local.

Após a ação, o empregador foi notificado e cada trabalhador da fazenda recebeu uma indenização de R$ 4,5 mil por danos morais, além das verbas rescisórias e guias que dão direito a três parcelas de seguro-desemprego.

Todos os resgatados voltaram a suas cidades de origem.

Brasil de Fato aguarda retorno do coordenador da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), responsável pelo resgate, para mais informações. A matéria pode ser atualizada em breve.

Fonte: CUT

DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES?

envie um email para

[email protected]

2005 - 2021
magnifiercross linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram