Total de cidades turísticas brasileiras cai 35% e agora chega a 2.175

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Documento divulgado pelo Ministério do Turismo  esta semana mostra que o número de municípios turísticos no país foi reduzido em 35%: de 3.345 para 2.175. O Mapa do Turismo do Brasileiro é uma ferramenta de gestão, que permite direcionamento de políticas públicas para o setor.

Construído em conjunto com os órgãos oficiais do setor, o mapa tem como foco a estruturação e a promoção do setor, de forma regionalizada e descentralizada. Ele serve também para identificar o desempenho da economia do turismo para tornar mais fácil a identificação e apoio a cada uma das cidades.

“O mapa é um instrumento de ordenamento que auxilia o governo federal nos estados quanto ao desenvolvimento de políticas públicas para o turismo. Temos trabalhado ultimamente com orçamentos bem aquém do necessário. Então, é importante que o gestor aplique onde esses valores terão um retorno melhor para a região, para o turista e também para as políticas do governo federal”, explica o diretor do Departamento de Ordenamento do Ministério do Turismo, Rogério Cóser.

Recorte territorial

Em sua quinta edição, o mapa é atualizado periodicamente para se adequar à realidade de cada município. “Esse mapa é o que define o recorte territorial do que deve ser trabalhado prioritariamente pelo ministério. Entendemos que é prioritário buscar respeitar os níveis de desenvolvimento das regiões turísticas”, afirma. A ferramenta permite a aplicação de recursos onde há possibilidade de maior ganho para o turismo.

Segundo a metodologia de construção do mapa, os municípios são divididos em cinco categorias, de A a E. A definição se dá a partir de quatro variáveis de desempenho econômico: número de empregos, de estabelecimentos formais no setor de hospedagem e estimativas de fluxo de turistas domésticos e internacionais.

A categoria A representa as cidades com maior fluxo turístico e maior número de empregos e estabelecimentos no setor de hospedagem. Nesta faixa estão concentrados destinos turísticos como Porto Seguro (BA), Ipojuca (Porto de Galinhas/PE), Armação de Búzios (RJ), Campos do Jordão (SP), Guarapari (ES), Balneário Camboriú (SC), Foz do Iguaçu (PR), Gramado (RS) e Caldas Novas (GO).

O novo mapa aponta que 29% (630) dos municípios estão nas categorias A, B e C. Eles concentram 93% do fluxo de turistas domésticos e 100% do fluxo internacional. As demais cidades, que representam 71% dos casos, estão entre as categorias D e E. De acordo com Ministério do Turismo, esses destinos não possuem fluxo turístico nacional e internacional expressivo, mas têm papel importante no fluxo regional e precisam de apoio para a geração e formalização de empregos e estabelecimentos de hospedagem.

ABr

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.