Torcida do Goiás perde a paciência, protesta e aponta maior alvo

0
45

goiasSão cinco derrotas seguidas, algo que não acontecia desde 2010. Naquele ano, veio o rebaixamento para a Série B e uma das maiores crises já vividas pelo clube. A situação já é emergencial no Goiás nesta temporada e a tentativa já é de evitar uma nova queda de divisão. Por isso, a torcida perdeu a paciência de vez com os dirigentes do clube, em especial com um deles: o diretor de futebol Marcelo Segurado.

No intervalo do jogo de domingo contra o Cruzeiro, que terminou com vitória celeste por 1 a 0, um grupo de torcedores da organizada do clube se dirigiu ao local próximo da tribuna de dirigentes esmeraldinos. Segurado não assiste as partidas no local, e sim na tribuna da AGEL, atrás de um dos gols do Serra Dourada. Mesmo assim, os torcedores protestaram contra o dirigente, conforme a reportagem do Portal 730.

O presidente do clube, Sérgio Rassi, também foi cobrado pela torcida, mas apenas pelo preço dos ingressos praticados no Serra Dourada. Com uma faixa com os dizeres “Ingresso de Série A, futebol de Série C”, os torcedores pediram uma baixa no preço nos próximos confrontos. Contra o Cruzeiro, os ingressos custaram R$60 e R$100 (inteira), com torcedores com a camisa do Goiás pagando meia-entrada (R$30 e R$50).

Segundo o repórter André Rodrigues, da 730, destacou após o duelo contra o Cruzeiro, as últimas declarações de Segurado, na chegada da delegação após a goleada sofrida para o Corinthians, na quinta-feira, por 5 a 2, não agradaram alguns dirigentes esmeraldinos, que conversaram com o homem forte do futebol no sábado. Segurado havia destacado a dificuldade em contratar, já que o clube tem um teto salarial e essa situação não é flexível.

Segurado se tornou peça fundamental no departamento de futebol do Goiás em Setembro de 2011, no lugar de Kleber Guerra, que vinha sendo muito questionado na época. Naquele momento, o time estava em situação difícil na Série B e ele negociou a chegada de Enderson Moreira para o comando técnico. O primeiro reforço apresentado pelo dirigente foi Gerson, lateral esquerdo que estava no Atlético-GO, mas pertencia ao Fluminense.

De lá para cá, foram 52 jogadores contratados pelo dirigente, além de três treinadores: Enderson, Claudinei Oliveira e o atual, Ricardo Drubscky. Com Segurado na direção de futebol, o Goiás conquistou a Série B em 2012 e foi bicampeão goiano (12/13). Uma das maiores críticas pelo trabalho do dirigente foi falta de valorização da base em 2012 e 2013, tanto que nesse período, apenas um atleta foi vendido: o zagueiro Rafael Tolói, para o São Paulo.

 730