Terrorismo e lixo, os dramas nucleares

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Ao se reunir no final da semana passada em Washington com 52 chefes de Estado para mais uma Cúpula de Segurança Nuclear (Estado, 30/3), o presidente Barack Obama estava diante de uma realidade incômoda: sete anos depois de pedir em Praga “um mundo sem armas atômicas”, o número de países que dispõem de materiais para armamentos nucleares caiu apenas de 32 para 24, segundo organizações não governamentais . E, também grave, estava ausente a Rússia, num momento de alta tensão com os EUA . No ar, o temor de que esse tipo de arma ou material para construí-la caia em mãos de terroristas, esse flagelo dos tempos modernos.

Ben Rhodes, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, deixou claro: “Sabemos que organizações terroristas querem ter acesso a esses produtos com componentes radiativos e/ou convencionais, que podem estar espalhados por centenas de lugares, inclusive hospitais – além de 2 mil toneladas de urânio enriquecido e plutônio em instalações civis e militares, que podem ser usados para 150 bombas atômicas”.

Há ainda questões diplomáticas a discutir. Como a de que a Rússia prefere caminhos como os da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) – mas não cumpre nem mesmo os de um acordo bilateral de 1987, que limita o arsenal de mísseis de longo alcance para norte-americanos e soviéticos; e entende que a cúpula é “interferência indevida em organizações multilaterais que já se dedicam à segurança nuclear”.

Nos últimos dois anos a Rússia fez testes proibidos com mísseis. A Coreia do Norte recentemente também fez testes com ogivas nucleares e está preparando outros com mísseis e bombas. A Coreia do Sul dá sinais de disposição de se armar com equipamentos nucleares para enfrentar o que julga serem ameaças da Coreia do Norte e da China. O próprio presidente Obama teria dito ao jornal The New York Post (Estado, 1.º/4) estar disposto a discussões para permitir reações defensivas de japoneses e sul-coreanos, de modo a não dependerem da proteção dos EUA.

O presidente Obama voltou também a alertar na cúpula que o sistema nuclear no mundo pode não estar protegido de maneira adequada das ameaças terroristas ao arsenal de 2 mil toneladas de produtos altamente perigosos (Estado, 2/4). Segundo ele, uma pequena quantidade de plutônio – do volume de uma maçã – pode ser suficiente para matar ou ferir centenas de milhares de pessoas.

Ainda neste ano três regiões do mundo ficarão livres de materiais atômicos, por decisão da cúpula: América Latina (Argentina), Europa Central e Sudeste da Ásia. Nos últimos sete anos foi eliminado urânio enriquecido em 50 instituições de 30 países, suficiente para 150 bombas atômicas. Mas o presidente Obama afirma (The Washington Post, 1.º/4) que “nosso enorme arsenal da guerra fria não é adequado às ameaças atuais”. E UA e Rússia – que juntos detêm 90% das armas nucleares do mundo – “devem negociar uma nova redução de seus arsenais”, para que até 2018 fiquem no nível da década de 1950.

Contraditório, porque admite implicitamente que não há outros riscos, incluído o do lixo nuclear. Mas um banco internacional de combustível está sendo implantado no Casaquistão, “para que países possam ter a energia que procuram” (83% do urânio e plutônio no mundo estão em programas militares). Contraditório também com a posição explicitada pelo ministro brasileiro do Exterior na cúpula, Mauro Vieira, para quem a conferência “não pode prejudicar o direito de cada Estado desenvolver o uso da energia nuclear para fins pacíficos, na geração de energia elétrica, fins medicinais, aplicações na agricultura e meio ambiente” (Estado, 1.º/4).

Poucos dias antes de iniciar-se a cúpula, o governo de Bagdá ainda promovia (Reuters, 18/2) buscas de material radiativo “altamente perigoso”, roubado no final do ano passado e que possa estar em mãos de membros do Estado Islâmico: uma simples caixa “do tamanho de um laptop”, com uma fonte altamente radiativa de IR-192, de apenas 10 gramas, que desapareceu em Basra, se usada, pode ter efeitos dramáticos.

Na Alemanha (New Scientist, 6/2), está sendo perfurado um canal de mil metros de profundidade para receber lixo atômico, apesar de não haver destino seguro para lixo nuclear.

Já foi até contado neste espaço que o autor destas linhas foi há alguns anos, quando gravava documentário, a uma área no Estado de Nevada (EUA) onde também se cavava um depósito sob a montanha para receber lixo radiativo. Depois de ser conduzido ao fundo do poço por um técnico do governo norte-americano, veio a questão inevitável: por que se construía um depósito perigoso como aquele numa área submetida a frequentes abalos sísmicos? O técnico não hesitou: já haviam sido registrados ali abalos de até 5,3 graus na escala Richter sem prejuízo para a obra. Perguntou-se: e se houver abalos mais fortes, quem garante? E o técnico, apontando para o céu com o dedo indicador: “Ele”.

No entanto, há menos de um ano, diante de relatórios que apontavam os riscos, o governo norte-americano fechou o projeto, sem uso, depois de haver gasto ali US$ 12 bilhões. E sabendo que 36 dos 99 reatores em atividade nos EUA terão de ser fechados até 2015, sem terem destinação para o lixo nuclear.

Ainda assim, a brasileira Eletronuclear já selecionou 40 áreas para novas usinas nucleares por aqui (Hoje em Dia, 21/1). Seis seriam implantadas até 2030, pelo menos uma delas utilizando água do Rio São Francisco para resfriar seus reatores. De que vale a experiência?

P. S. – Informa a Abrelpe que os números anuais sobre gestão de resíduos sólidos no País, mencionados no artigo da semana passada (1.º/4), devem ser estes: 78,6 milhões de toneladas de resíduos sólidos gerados em 2014 (os dados mais recentes) e 29,6 milhões de toneladas dispostas em lixões e aterros controlados. (O Estado de S. Paulo/ #Envolverde)

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.