As terras contaminadas do Templo de Salomão

0
126

salomaoUm inquérito do Ministério Público Estadual revelou que o depósito ilegal de terras na USP campus Leste foram retiradas do “Templo de Salomão”, da Igreja Universal do Reino de Deus, no bairro do Brás.

A obra faraônica que custou R$ 680 milhões foi inaugurada no fim de julho e ocupa uma quadra inteira na região do Brás, em São Paulo. O Templo de Salomão é quase o dobro de altura do Cristo Redentor.

O envio de terras contaminadas foi feito em mais de 6 mil viagens de caminhão, no período compreendido entre outubro de 2010 e outubro de 2011. Os depoimentos colhidos pela Promotoria do Meio Ambiente mostram que o então diretor da EACH, Jorge Boueri Filho, autorizou todas as operações do aterro ilegal.

Lixo orgânico

Na semana passada, a Justiça de São Paulo liberou a volta das aulas no campus da USP Leste, localizado em Ermelino Matarazzo, na Zona Leste. A decisão foi tomada a partir de um parecer técnico da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), órgão que deu aval para a liberação do uso do prédio. A área estava interditada desde 9 de janeiro, devido à contaminação do solo.

O local, onde o campus da Zona Leste foi construído, habitava um lixão de lixos orgânicos, antigamente. Entretanto, ao passar do tempo, este tipo de material começa a se decompor e expele o gás metano, o qual é tóxico e explosivo. Alunos, professores e funcionários fizeram uma greve em 2013 por conta desta contaminação. A paralisação durou 50 dias e a rotina normal da universidade voltou em 29 de outubro.

Pragmatismopolitico