Tereza Campello critica projeto do Senado que altera o Bolsa Família

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

ministraAs regras do Bolsa Família preveem reavaliação das condições das famílias beneficiárias a cada dois anos. Se a renda familiar ultrapassar o limite atualmente fixado em R$ 154 mensais per capita, o grupo é excluído do programa. Pela proposta do senador Aécio Neves, o benefício seria mantido por pelo menos mais seis meses, mesmo se a reavaliação indicar aumento da renda além do limite.

A ministra questionou a existência de estudos que indiquem a necessidade de retirada do limite de renda e disse que um programa que chega a 50 milhões de pessoas não pode ser alterado “de forma atabalhoada, sem o menor estudo científico, sem evidências sejam científicas ou empíricas”. Tereza Campello disse que o governo vai enfrentar o debate “com argumentos” e trabalhar para que a proposta não seja aprovada no Senado.

Em relação à obrigatoriedade de qualificação profissional para todos os beneficiários do Bolsa Família maiores de 18 anos, também prevista no projeto de lei do Senado, a ministra disse que a medida não só tornaria as vagas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) insuficientes para os beneficiários, como tiraria a chance de outra parte da população interessada nos cursos.

“Essa medida puxa toda essa carga de preconceito contra os pobres, achando que não trabalham e que não querem se qualificar. Eles querem e estão se qualificando”, disse.

[saiba_mais]

De acordo com Neves, a obrigatoriedade de qualificação profissional para os integrantes do Bolsa Família tem o objetivo de estimular a criação de “uma porta de saída” para o programa.

Tereza Campello criticou a discussão de mudanças no Bolsa Família em ano eleitoral e o fato de a proposta ter sido apresentada pelo senador Aécio Neves, que é pré-candidato do PSDB na disputa presidencial. “Às vésperas das eleições, querem mudar o Bolsa Família à la tapetão, e isso nós não vamos deixar.”

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp