Suspeito de matar menor dentro de escola diz que vítima o dedurou

0
91

Um dos suspeitos de matar o estudante Sindel Fernandes, de 13 anos, em Aparecida de Goiânia na Região Metropolitana da capital, disse à Polícia Militar que cometeu o crime porque a vítima o dedurou a rivais. Em um vídeo feito pela corporação, o detido ainda dá detalhes do homicídio

O corpo do garoto foi encontrado por um vigilante durante a ronda na manhã de sábado na Escola Municipal Monteiro Lobato. Na noite do mesmo dia, um jovem de 18 anos e outro de 21 foram presos suspeitos de cometer o crime.

A gravação foi feita após a prisão. Segundo um dos detidos, o adolescente estava consumindo drogas no momento do crime.

“Nós passamos lá e vimos ele lá, nós pegamos a faca e o ferro e voltamos lá. Ele estava lá ainda fumando e nós fomos lá e matamos. Eu dei as primeiras facadas lá dentro da quadra. Ele era ‘cagueta pisão’”, afirmou o suspeito na gravação.

Policiais disseram que a frieza dos suspeitos chamou atenção. “Eles foram muito frios, eles deram todos os detalhes do crime, passaram tudo como eles fizeram. E aí, depois, bem tranquilos, eles falam que foram para casa e dormiram”, contou o major da PM Ronny Alves de Souza.

Os jovens já tinham passagens pela polícia.“São dois indivíduos que praticaram este crime que foi de forma bem covarde, que utilizaram de faca, paus, pedras, barras de ferro para matar este adolescente. São indivíduos já com passagem pela polícia por crime de roubo e por homicídio”, disse Souza.

Escola
No dia em que o menor foi achado morto, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação explicou, por meio de nota, que a escola tem um vigia, que faz rondas, e câmeras de segurança. A quadra onde aconteceu o crime é usada pelos moradores para a realização de atividades culturais e esportivas sempre com a autorização da direção da escola.

Em casos onde adolescentes invadem a unidade, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) é acionada para a retirada. “Neste caso ainda não é possível saber se foi invasão, já que o vigia só encontrou o corpo da vítima depois do fato ocorrido”, destacou a nota.

Segundo o delegado Luiz Renato Maximiano, a vítima já havia estudado no local. Segundo a família, o rapaz saiu de casa na hora do almoço de sexta-feira (13) e não foi mais visto.

G1