‘Somos irmãos’, diz papa Francisco ao se reunir com patriarca ortodoxo russo em Havana

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Em primeira reunião entre líderes das duas Igrejas, pontífice católico e patriarca Cirilo se abraçaram ao se encontrar nas proximidades da capital cubana

O papa Francisco e o patriarca Cirilo, da Igreja Ortodoxa Russa, se reuniram nesta sexta-feira (12/02) no aeroporto de José Martí, nas proximidades de Havana, capital cubana. Os dois se abraçaram e se beijaram ao se encontrar. A primeira reunião entre líderes das duas Igrejas havia sido anunciada na semana passada.

“Somos irmãos”, disse o pontífice católico ao patriarca russo em espanhol, enquanto Cirilo disse a Francisco que “agora as coisas serão mais fáceis”, segundo a agência de notícias Ansa. Depois de se abraçarem e trocarem algumas palavras na presença de jornalistas, os líderes religiosos seguiram para uma sala fechada.

Após a reunião privada, que deve durar cerca de duas horas, os líderes deverão trocar presentes e fazer pronunciamentos à imprensa. Está prevista também a assinatura de uma declaração entre as duas Igrejas, em italiano e em russo, embora o conteúdo do documento não tenha sido esclarecido.

“Foi um encontro muito esperado tanto por mim como pelo meu irmão Cirilo”, afirmou o papa a jornalistas. Ele aterrissou em Cuba por volta das 14h locais (17h no horário de Brasília). Antes de chegar à ilha, Francisco disse em seu perfil oficial no Twitter que o encontro com Cirilo era “um presente de Deus” e pediu que os fiéis rezem pelos dois. Em seguida, ele fará uma viagem ao México.

Segundo o patriarca, o encontro com o papa é um sinal de esperança para toda a comunidade cristã. Cirilo, que inicia na ilha uma viagem de 11 dias pela América Latina, se reuniu mais cedo com o presidente de Cuba, Raúl Castro.

“Os povos da Rússia e de Cuba estão unidos por muitos anos de relações de cooperação e amizade. E aqui eu terei uma oportunidade, ao conversar com as pessoas, de transmitir os bons votos do povo russo”, declarou o patriarca à imprensa. Segundo agências de notícias russas, o patriarca disse a Raúl que o povo cubano “provou ter o direito de viver do jeito que acredita”.

As duas vertentes do cristianismo se separaram oficialmente há quase 1000 anos, no século 11, com o chamado Grande Cisma do Oriente. O encontro entre os líderes é apontado como uma reaproximação entre as duas Igrejas.

Segundo o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, Cuba foi escolhida como local do encontro por ser um “local neutro”, que se encaixava na agenda dos dois líderes. O Vaticano afirmou que a reunião possui uma “extraordinária importância”. O Ministério das Relações Exteriores cubano declarou que o país se sente honrado em ser o local do encontro entre os dois líderes religiosos.

Notícia postada em  

  • 13 de fevereiro de 2016
  • Da Redação