Semana começa tensa com vazamento dos novos ministros pelo Planalto

Vazamento, pelo Planalto, dos nomes dos novos ministros leva a presidente a agradar mercados, no caso de Joaquim Levy

dilmaApresentados em conversas reservadas como os escolhidos para compor o governo no segundo mandato, os futuros ministros da Agricultura, Kátia Abreu, e da Fazenda, Joaquim Levy, aproximam uns e afastam outros. Desde a última sexta-feira, quando o Planalto decidiu vazar os nomes como fechados pela presidente Dilma Rousseff, os mercados se acalmaram, o agronegócio, idem. Mas, se o nome de Levy foi visto com certa dose de decepção pelos economistas do PT, o de Kátia Abreu fez estrilar o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Para completar, na seara política o nome de Kátia desagradou, em especial, a bancada do PMDB, que planejava manter a Agricultura sob seu comando.

O MST foi além das simples reclamações. No último sábado, o Movimento ocupou uma fazenda de milho no Rio Grande do Sul como forma de protesto contra a senadora, e ainda divulgou um texto “Bem-vinda Kátia Abreu”, anunciando novas invasões.

Essas reações terminaram ampliadas porque a presidente adiou o anúncio oficial, passando a muitos a ideia de que só aumentou, ao longo dos últimos anos, aquilo que os aliados esperam ser uma página virada: a dificuldade de a presidente Dilma Rousseff em tomar decisões sem infinitas idas e vindas nas negociações.

Há uma semana, quando a presidente desembarcou em Brasília vinda da reunião do G20, na Austrália, a expectativa no Palácio do Planalto era a de que a equipe econômica seria escolhida e anunciada até a última sexta-feira. Porém, a presidente, comentaram assessores, preferiu adiar o anúncio dos novos ministros para poder entregar o “pacote fechado”. A justificativa teria sido a de que Dilma desejava colocar no bolo os presidentes dos bancos públicos, além do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini; e dos ministros da Fazenda, Joaquim Levy; do Planejamento, Nelson Barbosa; e do Desenvolvimento Indústria e Comércio, Armando Monteiro Neto. Não se esperava, mas acabou entrando nesse conjunto o Ministério da Agricultura.

Tanto Kátia Abreu, do PMDB, quanto Armando Monteiro Neto, do PTB, são citados em seus respectivos partidos como ministros da cota pessoal de Dilma. A primeira, pelo que fez na campanha, defendendo Dilma dos ataques dos ruralistas; o segundo, pelo diálogo com o empresariado — apesar de a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e das Indústrias do Rio (Firjan) não apoiarem a Confederação Nacional da Indústria (CNI), quando presidida por Monteiro durante os oito anos do governo Lula.

Correiobraziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios