Bem-vindo(a) à Aparecida de Goiânia
Saúde

Saiba o que é preciso ser feito para enfrentarmos a variante ômicron

Marcus Vinicius
6 de dezembro de 2021

É provável que estar imunizado com as vacinas que temos pode não ser suficiente para impedir a infecção da nova variante mas pode ser suficiente para impedir casos mais graves

Por Alexandre Padilha

Tenho dito há algum tempo, e não tenho dúvidas sobre isso, que irão surgir variantes da covid-19 resistentes às vacinas que o mundo está aplicando. Se isso acontecer daqui a uma semana, um mês ou 10 anos, ninguém pode dizer. Mas, infelizmente, o mundo trabalha para que isso surja o mais rápido possível.
Por mais que a ciência tenha desenvolvido em pouco tempo vacinas eficazes contra a covid-19, o mercado e a ganância pelo lucro aliada à incapacidade de governos, sobretudo das nações mais ricas, não fazem com que essas vacinas cheguem o mais rápido possível no braço de toda população mundial.

Apenas 6% da população, cerca de 1,2 bilhão de pessoas, do continente africano está totalmente vacinada. Ou seja, enquanto sobram vacinas em países com movimento antivacina, sobretudo na Europa e EUA, na África a situação é inversa, onde tem gente que quer se vacinar mas falta vacina.
Assim também ocorre no Brasil que, embora tenhamos avançado na cobertura vacinal graças à tradição do nosso Programa Nacional de Imunização (PNI) e do SUS, apesar de Bolsonaro, nós ainda não estamos vacinando crianças, o que na minha avaliação é um erro, e precisamos pressionar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que conclua o mais rápido possível a avaliação, porque vários países já as estão vacinando. E não vacinamos globalmente os adolescentes.

Só se supera pandemias ofertando mecanismos de proteção à população e acelerando a vacinação. Apresentei um Projeto de Lei (PL 5067/20) que cria  o Conselho Gestor do Programa Nacional de Imunizações e garante acesso da população a medicamentos e vacinas registrados pelo órgão sanitário responsável, de maneira mais eficiente.
O surgimento da variante ômicron na África do Sul foi parecido com a detecção da variante Delta na Índia. E vejam que contraditório: a Índia possui a maior fábrica de vacinas no mundo e não garante vacinas para o povo indiano.
O que preocupa na variante ômicron é que ela possui muitas mutações, o que não significa que seja a mais grave. Na comunidade onde foi detectada, rapidamente se tornou a variante dominante, o que também não significa que ela será dominante no mundo inteiro, em locais com vacinação mais avançada.
:: Salário e jornada de trabalho dignos para enfermagem e psicologia ::
É possível que a ômicron seja resistente às vacinas atuais? É possível. É provável? Não. É muito provável que as vacinas continuem nos protegendo com relação à gravidade da doença.
Ainda não temos 100% de certeza, mas é muito provável que estar imunizado com as vacinas que temos pode não ser suficiente para impedir a infecção dessa nova variante mas pode ser suficiente para impedir casos mais graves.
É um alerta para o mundo. Os governos que liberaram o uso de máscaras e estimulam a aglomerações deveriam ter mais responsabilidade e rever essas posições. Não é hora de relaxar, é hora de vacinar.
*Alexandre Padilha é médico, professor universitário e deputado federal (PT-SP). Foi ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e secretário de Saúde na gestão Fernando Haddad na cidade de São Paulo

DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES?

envie um email para

[email protected]br

2005 - 2022
magnifiercross linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram