A revolução silenciosa entre os evangélicos contra os Malafaias e os Felicianos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Por Carlos Fernandes

Uma revolução silenciosa está acontecendo neste exato momento. Não importa a forma como se apresentam os opressores ou os adornos com que se tentem enfeitar as correntes da opressão. Mais cedo ou mais tarde a razão há de prevalecer e alguma justiça invariavelmente se fará presente.

A utilização da fé de pessoas honestas e bem intencionadas por parte de inescrupulosos cujo único intuito é o de se locupletarem tanto no poder político, quanto na acumulação financeira, é algo tão detestável e desprezível quanto a própria escravidão.

Não é preciso lembrar que o regime escravocrata brasileiro, que ilustres membros da grande mídia nacional tentam vergonhosamente levar a crer que nada tem relação com os elevados níveis de racismo observados no Brasil, era perfeitamente legal e normalmente aceito pela sociedade da época como um direito universal.

Assim também o é com mercadores da fé que movimentam milhões de reais em todo o mundo sob o cínico argumento de que todo o montante arrecadado serve exclusivamente para o “fortalecimento da obra de Deus”. Nada vai mais contra os ensinamentos de Jesus.

O fato é que o escárnio, o desprezo e a desfaçatez com que certos “líderes” religiosos estão tratando a sua própria religião, chegou a um nível tão absurdo que os próprios fiéis já não os enxergam mais como representantes daquilo que eles realmente acreditam e defendem.

Simplesmente não existem mais qualquer motivos que se queiram honestos para que pessoas honradas e decentes sigam as vontades mesquinhas de gente como o Pastor Malafaia, Marcos Feliciano e Eduardo Cunha, que vêem na política e na riqueza, e não na fé, as suas verdadeiras salvações.

Assim deve ser e assim está sendo. Representantes e integrantes de movimentos religiosos protocolaram junto à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, um manifesto em que pedem a saída imediata do Presidente da Casa, Eduardo Cunha. Malafaia, que consegue ver em Cunha um exemplo de honestidade e correção, saiu em defesa de seu pupilo com a sua já peculiar falta de educação e de respeito.

Declarou num post no Twitter, que as pessoas que assinaram o manifesto pertencem ao que ele chama de “Petralhada gospel” e que simplesmente não passam de uma “cambada de hipócritas a serviço do PT”. O que Malafaia não entende é que essas pessoas pertencem a um tipo de igreja que não admite por parte de seus integrantes a prática de crimes e o enriquecimento ilícito fazendo uso inclusive da própria igreja.

Marcos Feliciano, que completa a tríade fundamentalista, está no momento muito ocupado tentando desqualificar o ENEM e uma das maiores pensadoras da era moderna, Simone de Beauvoir. Na sua página no Facebook, o “iluminado” provavelmente criou uma das teses mais estapafúrdias da história para tentar justificar o pensamento feminista e libertador que norteou toda a obra de Beauvoir. Segundo o parlamentar, Simone de Beauvoir só agia daquela forma porque queria ser homem e assim agradar o seu pai.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.