Relator da LDO rejeita CPMF como fonte de arrecadação do governo em 2017

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

O senador Wellington Fagundes (PR-MT), relator do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), retirou a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) da relação de possíveis fontes de arrecadação para o Orçamento do governo em 2017.

Em função da eleição do presidente da Câmara dos Deputados na tarde de hoje (13), a reunião da Comissão Mista de Orçamento, marcada para a votação da LDO de 2017 foi cancelada. Com isso, a apreciação da matéria deve ficar para agosto. Oficialmente, sem a votação da LDO, deputados e senadores não podem entrar em recesso, mas eles vão adotar o chamado recesso branco de 18 a 29 de julho.

Para o senador, diante do atual momento político-social, a volta do imposto é “improvável e inoportuna”. Em documento encaminhado ao ministro interino do Planejamento, Orçamento e Gestão, Dyogo Oliveira, Wellington observou que a manutenção da projeção de receita com base na CPMF “não contribui para a construção de um orçamento realista”.

O parlamentar defende ainda que a obtenção da meta orçamentária proposta pelo Executivo, que prevê déficit de R$ 139 bilhões, esteja amparada na redução dos gastos públicos e não represente a criação de novos impostos.

Para que a CPMF seja uma realidade a partir próximo ano, o Congresso teria de votar a medida até 31 de agosto, quando se encerra o prazo para encaminhamento do projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA).

ABr

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.