Reitor da Universidade Federal do Rio é denunciado por desvio de verbas

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

MPF denuncia reitor da UFRJ por desvio de mais de R$ 50 milhões

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou Carlos Antonio Levi da Conceição reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e presidente da Fundação Universitária José Bonifácio (FUJB) e mais três servidores pelo desvio de mais de R$ 50 milhões dos cofres públicos. A informação foi divulgada pela assessoria da Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro.

O reitor da UFRJ afirmou, através de nota (leia nota abaixo), que o MPF interpretou de maneira errada o uso da Fundação Universitária José Bonifácio (FUJB) para gestão de recursos externos da universidade. “A UFRJ já divulgou amplamente a aplicação dos mais de R$50 milhões, integralmente utilizados em interesse da universidade em obras, reformas de unidades, cerca de mil eventos acadêmicos e divulgação institucional”, disse o reitor.

De acordo com a Procuradoria, os recursos desviados são decorrentes de dois convênios no valor de R$ 9,3 milhões e um contrato no valor de R$ 43,5 milhões celebrados entre a UFRJ e o Banco do Brasil, com anuência da FUJB.  Para o MPF, ambos os convênios e o contrato foram realizados mediante a cobrança de uma indevida taxa de administração e sem licitação.

De acordo com a Procuradoria, em 2008, após uma auditoria na universidade, a Controladoria Geral da União (CGU) abriu procedimentos administrativos disciplinares que indicaram a demissão dos três servidores públicos federais denunciados – o atual reitor, Carlos Levi; o então chefe de gabinete da Reitoria, João Eduardo do Nascimento Fonseca e o Coordenador do Setor de Convênios e Relações Internacionais da UFRJ, Geraldo Luiz dos Reis Nunes.

Os denunciados vão responder pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e por dispensa indevida de licitação.

Favorecimento de amigos e parentes

Em 2008, a Polícia Federal instaurou inquérito policial para apurar o favorecimento de parentes e amigos do reitor da época da UFRJ, Aluísio Teixeira, e do chefe de gabinete da reitoria, João Eduardo do Nascimento Fonseca, em contratações para prestações de serviços e em nomeações para cargos em comissão. Os supostos  favorecimentos seriam provenientes de convênios e de um contrato com o Banco do Brasil.

Em 2010, o MPF ajuizou ação cautelar de afastamento dos sigilos bancário e fiscal dos então investigados. Segundo a denúncia, os recursos públicos desviados, entre 2005 e 2011, deveriam ter sido repassados ao caixa da UFRJ e registrados no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI). O atual reitor Carlos Antonio Levi da Conceição foi acusado de participar do esquema, na época, como Pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento da UFRJ.

Nota enviada pela assessoria de imprensa da UFRJ:

O reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Carlos Levi, comentou nesta segunda-feira, 17, as denúncias oferecidas à 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro por dois procuradores do Ministério Público Federal, sobre gestão de recursos provenientes de contrato da universidade com o Banco do Brasil.

De acordo com o reitor, o uso da Fundação Universitária José Bonifácio (Fujb) para gestão de recursos externos à UFRJ tem sido interpretado erroneamente pelo MPF como desvio de recursos públicos para instituição privada.

“A UFRJ já divulgou amplamente a aplicação dos mais de R$50 milhões, integralmente utilizados em interesse da universidade em obras, reformas de unidades, cerca de mil eventos acadêmicos e divulgação institucional”, afirmou Levi.

Convênios e contratos com o Banco do Brasil foram celebrados durante a gestão do educador Aloisio Teixeira, reitor da universidade entre 2003 e 2011. Levi, durante o último mandato de Aloisio, foi pró-reitor de Planejamento da UFRJ.

Para Carlos Levi, as considerações recentes da Controladoria Geral da União e do Ministério Público sobre o uso de fundações de apoio universitário têm provocado um estado de alerta e insegurança em todas as universidades federais do Brasil, que utilizam as instituições para agilizar a administração de recursos.

A Fujb foi criada na década de 1970, para prestar apoio à UFRJ. Criada através de lei federal, é reconhecida pelo Ministério da Educação e pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

“O contrato foi firmado com parecer favorável da Procuradoria Federal da Advocacia Geral da União, que presta assessoria à universidade, e é de conhecimento amplo na UFRJ”, disse o reitor.

“Estamos seguros de que a justiça irá considerar nossos argumentos e aguardamos confiantes o desenrolar desse caso, que interessa não só à UFRJ, mas a todas as instituições federais que têm nas fundações um mecanismo para dar maior agilidade à gestão de recursos”, afirmou o reitor.

A Reitoria da UFRJ publicou no site da universidade a relação dos investimentos, que incluem editais de eventos acadêmicos, obras e a construção de um restaurante universitário.”

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp