Projeto de universidade mineira mostra que é possível dar fim às barragens

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Tecnologia permite transformar rejeitos da mineração, como os que provocaram o desastre ambiental de Mariana, em cimento e areia útil à construção de casas e estradas

Com tecnologia desenvolvida em Minas Gerais, os rejeitos da exploração de minério de ferro da Samarco, que vazaram da Barragem do Fundão, em Mariana, teriam sido suficientes para a produção de base e sub-base de 3.500km de estradas. O material também poderia ser usado na construção de 120 vilas com 200 casas de 46m², à semelhança do subdistrito de Bento Rodrigues, solapado pela ruptura do dique em 5 de novembro passado. Mais do que mostrar um outro lado da dimensão da tragédia, o cálculo expressa o esforço dos pesquisadores do Centro de Produção Sustentável da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Pedro Leopoldo, na Grande Belo Horizonte, responsáveis pelo projeto que tornou realidade, em 2015, a destinação de misturas argilosas e arenosas à construção civil.

Para o uso em estradas, os rejeitos são transformados em base arenosa impregnada de ligante hidráulico, uma técnica já consolidada na Europa. Os números sobre o aproveitamento do material que vazou da barragem da Samarco foram estimados pelo professor Evandro Moraes da Gama, do Departamento de Engenharia de Minas da UFMG, que divide com o professor Abdias Magalhães Gomes, do Departamento de Engenharia de Materiais de Construção, as tarefas da coordenação do Laboratório de Geotecnologias e Geomateriais, instalado no centro de produção da universidade.
As instalações abrigam uma indústria-piloto de fabricação do chamado ecocimento e derivados, como blocos, tijolos, pisos e argamassas, obtidos de rejeitos e estéreis, aquelas rochas minerais que, por não terem valor econômico na extração de ferro, são acumuladas em depósitos.
Em novembro, o projeto foi concluído com a construção, na área da UFMG, de uma casa de 46m², com dois quartos, cozinha e banheiro, feita com o cimento ecológico produzido a partir de rejeitos e estéreis de minério de ferro. Inédito no Brasil, o programa recebeu recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), que financiou, em 2010, o laboratório de Pedro Leopoldo. A casa atende às normas técnicas que regem a construção civil no Brasil, destaca Evandro Gama, e apresenta a vantagem de uma redução de custos calculada em 30%, comparada às construções convencionais.

Outros países mineradores, como Canadá, China e França, produzem material de construção em larga escala usando rejeitos da mineração. “Se fôssemos hoje uma indústria em escala, poderíamos construir 80 casas por mês. No Brasil, é preciso aproximar a indústria de transformação da mineração. Parte significativa do passivo ambiental que temos pode ser transformado em matéria-prima para a infraestrutura no país”, afirma o professor da UFMG Evandro Gama, engenheiro de minas e engenheiro geólogo pós-graduado no Instituto Nacional Politécnico de Lorraine, na França.

As pesquisas da universidade para aproveitamento dos rejeitos e estéreis começaram há 10 anos, e o projeto do Laboratório de Geotecnologias e Geomateriais contou com a parceria do Instituto Nacional de Ciências Aplicadas de Toulouse, na França (Insa). Por meio desse acordo, a UFMG instalou, em 2012, forno industrial de fabricação francesa usado para a produção do ecocimento, de tipo pozolânico. O termo associado à antiga fórmula criada pelos romanos para produzir cimento deriva das pozolanas, material natural fino como poeira encontrado nas rochas estéreis e nos rejeitos das minas, que tem a propriedade de reagir em contato com outras substâncias, gerando um ligante.

Poeira queimada

Evandro da Gama explica que o cimento é fruto do processo de calcinação (queima) das pequenas partículas dos rejeitos e estéreis a temperaturas de 720ºC. A diferença do processo desenvolvido em Pedro Leopoldo está na escolha da chamada calcinação flash, que, em lugar do procedimento convencional, tem a poeira como matéria-prima. “É o diferencial do nosso trabalho. A pior forma de industrialização com a qual convivemos é a poeira, que afeta a saúde humana”, afirma.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.