Preso por assalto que matou aluna diz estar arrependido: ‘Agora é pagar’

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Suspeito preso tem 18 anos, diz que queria ‘só roubar’ e culpou comparsa já detida.

A Polícia Civil apresentou nesta terça-feira (19) o jovem Mateus Queiroz Aguiar, de 18 anos, suspeito de envolvimento na morte da estudante Nathália Zucatelli, também de 18, a cerca de dois meses, em Goiânia. Ele admitiu em depoimento que pilotava a moto usada no assalto à jovem quando ela saia de um cursinho pré-vestibular, no Setor Marista.

Mateus disse estar arrependido, mas afirmou que a maior parte da culpa é de Natália Gonçalves de Sousa, de 20 anos, que estava na garupa e confessou após ser presa, três dias depois do crime, que efetuou os disparos. Além dela, o dono de um galpão de materiais recicláveis, Fernando Rodrigues Júnior, de 27 anos, também foi preso suspeito de ter fornecido a arma para o crime.

“Não tinha a intenção de matar ninguém, só roubar. Na hora, parei a moto mais para frente e só ouvi o disparo. Me arrependo sim, foi uma fatalidade. Sei que a dor da família não passa. A Natália foi a autora do crime e acabou com a vida de todo mundo. Agora é pagar pelo que fiz e seguir a vida”, disse Mateus durante a apresentação.

O crime aconteceu por volta das 21h30 de 22 de fevereiro. Nathália morava em Ji-Paraná, mas havia se mudado para Goiânia três semanas antes para estudar. Ela foi morta com um tiro quando seguia para casa, a cerca de uma quadra de onde estudava, o Colégio Protágoras, no Setor Marista.

Imagens de câmeras de segurança mostram o momento em que a estudante foi assassinada. O vídeo flagrou quando um casal em um moto aborda e atira contra a vítima.

Preso no ônibus
De acordo com o delegado Francisco Lipari, da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), Mateus fugiu para a cidade de Estrito, no Maranhão dois dias após o crime. Em seguida, viajou para Araguaína, no Tocantins. Em ambos os casos, ficou na casa de amigos.

O investigador revela que a polícia levantou informações e descobriu que ele viria nesta manhã para Goiânia. Diante disso, foi montada uma operação para vistoriar todos os ônibus que viessem da cidade tocantinense para a capital goiana. Em um deles, o suspeito foi localizado.

Lipari disse que, segundo os suspeitos, Nathália foi baleada porque teria segurado a bolsa no momento do crime, versão desconstruída pela polícia. “A vítima não tentou resistir. Foi uma reação normal, ela se afastou e segurou a bolsa. Para a polícia, o caso está concluído”, definiu.

Mateus não tinha passagens pela polícia. Ele foi indiciado por latrocínio – que é o roubo seguido de morte – e pode pegar uma pena de 20 a 30 anos caso seja condenado.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.