Prefeitura de Aparecida trabalha para ampliar acesso ao saneamento básico

0
236

obrasA administração do prefeito Maguito Vilela (PMDB) trabalha, desde 2009, para ampliar a rede de água tratada e o serviço de coleta e tratamento de esgoto, mesmo não sendo responsabilidade direta da Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Entre as medidas, adotadas pela atual gestão para retirar a cidade do ranking das piores em tratamento de esgoto, se encontra a criação da Agência de Regulação dos Serviços de Saneamento Básico de Aparecida (ASA), autorização para a Saneago subdelegar o serviço de esgoto para Odebrechet Ambiental e a captação de recursos junto ao governo federal para investir em saneamento básico.

 “A ASA é responsável por fiscalizar a aplicação dos recursos que o município vem recebendo do Governo Federal, mas que devem ser geridos pela Saneago”, explicou o prefeito. Maguito lembra que recentemente o município foi contemplado pela segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), com R$ 273,5 milhões, dos quais R$ R$ 115,4 milhões são destinados à construção de redes de água em todo município.

Outra medida importante foi a autorização do prefeito, em 2013, para que a Saneago subdelegasse o serviço de implantação de esgoto no município. Haja vista que A estatal goiana argumentou que não teria condições de universalizar o esgoto dentro de cinco anos e que a saída seria a subdelegação. A subdelegação permitirá que o serviço de esgoto seja universalizado até 2018.

Hoje em Aparecida 65,57% da população são atendidos com água tratada e 20,8% com esgoto. Em 2009, apenas 50% dos aparecidenses tinham acesso à água tratada e 15% ao esgoto. “Confiamos que a Saneago e a Odebrechet Ambiental vai executar as obras necessárias para que possamos dotar toda a cidade da infraestrutura necessária. Ou seja, água tratada, coleta e tratamento do esgoto e o asfalto. Acredito que assim aumentaremos a qualidade de vida da população”, defendeu Maguito.

No ranking geral da pesquisa realizada, este ano, pelo Instituto Trata Brasil que mostra situação em 100 cidades brasileiras, Aparecida aparece em 85° lugar. “No ano passado estávamos na 91° posição, isso demonstra a melhora dos serviços, principalmente no atendimento de água tratada”, avalia Maguito.

A ASA foi criada pela Lei Complementar nº 64, de 31 de dezembro de 2012, que promoveu a reforma administrativa no município. De acordo com o prefeito, a atuação da agência é extremamente importante também para apontar soluções no que tange o saneamento básico. “A cidade não tem potencial hídrico. Dependemos da implantação de um “linhão” do Reservatório João Leite e também da criação de outros reservatórios. A ASA atua em conjunto com a Saneago e demais órgãos no sentido de agilizar essas e outras medidas, como acompanhar as obras da ETE e seu funcionamento”, completa Maguito.

ÁGUA TRATADA – Segundo informações da Saneago e da Secretaria de Estado da Casa Civil – com recursos do PAC 1 e 2, BNDES e FGTS – o governo estadual está investindo no município de Aparecida de Goiânia R$ 713 milhões, em cinco frentes de serviço, para a ampliação do sistema de abastecimento de água.

O projeto prevê a construção de 917 quilômetros de redes de distribuição, centros de reservação, estações de bombeamento e instalação de poços profundos, obras que vão possibilitar cerca de 22 mil novas ligações domiciliares. As ações vão garantir água tratada para mais de 130 mil habitantes e universalizar o atendimento no município que tem hoje mais de 500 mil habitantes. Até o final de 2015 os índices de abastecimento de água terão saltado de 65,57% para 100%.

Para ampliar o sistema de esgotamento sanitário vão ser investidos mais de R$ 600 milhões, sendo R$ 74 milhões em obras já em andamento. Com a subdelegação do Sistema de Esgotamento Sanitário serão investidos R$ 439,6 milhões nos seis primeiros anos, garantindo a 90% da população de Aparecida o acesso aos serviços de coleta e tratamento de esgoto.

SecomAp