Prefeitura de Aparecida alerta que 80% dos focos da dengue estão nas residências

Com o Brasil em pleno surto da doença desde o início deste ano, as ações de combate em Aparecida são intensificadas semanalmente e os profissionais alertam a população para que faça a sua parte impedindo criadouros do Aedes aegypti nas casas e estabelecimentos comerciais

Da Redação
16/05/2022 - 10:47
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Prefeitura de Aparecida alerta que 80% dos focos da dengue estão nas residências

Com o Brasil em pleno surto da doença desde o início deste ano, as ações de combate em Aparecida são intensificadas semanalmente e os profissionais alertam a população para que faça a sua parte impedindo criadouros do Aedes aegypti nas casas e estabelecimentos comerciais

Em Aparecida, a Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realiza o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do zika vírus e da chikungunya, o ano inteiro com atividades que vão desde ações educativas com foco na prevenção até visitas domiciliares, bloqueios e recolhimento de pneus, dentre outras. Agora, com o País registrando um aumento, desde o início deste ano, de 113% dos casos notificados da dengue, segundo dados do Ministério da Saúde (MS), as ações são intensificadas semanalmente e os profissionais alertam a população para que faça a sua parte impedindo o surgimento de criadouros do Aedes aegypti.

De acordo com o mais recente boletim epidemiológico da SMS, nesses cinco meses de 2022 já foram notificados mais de 4 mil casos da dengue na cidade, o que representa mais da metade dos 8.470 registrados em todo o ano passado. Levantamentos da pasta ainda apontam que cerca de 80% dos criadouros estão nas residências.

Foto: Enio Medeiros

Responsabilidade coletiva

“Estamos em alerta e trabalhando para conter a proliferação do mosquito e conscientizar as pessoas, mas precisamos da participação efetiva da sociedade porque a maioria dos focos do inseto está nas residências. O combate a essas doenças é também uma questão de responsabilidade social, todo mundo tem que aderir e conscientizar as famílias e os amigos de que são males perigosos e que podem levar à morte, mas que podem ser evitados com o simples ato de não deixar água acumulada nem mesmo numa tampinha de garrafa descartada irregularmente”, enfatiza o secretário de Saúde Alessandro Magalhães.

O coordenador interino de Vigilância Ambiental, Flávio Ned Alves, destaca que o cenário epidemiológico é preocupante com crescente aumento das notificações, 4 óbitos confirmados e outros 12 em investigação, o que aumenta a necessidade da atuação das equipes de combate e da adesão massiva da sociedade: “As pessoas precisam verificar, semanalmente, suas casas e estabelecimentos checando vasos de plantas, calhas, quintais, caixas d’água, vasilhas de água dos animais e quaisquer locais ou objetos que possam acumular água e larvas do Aedes aegypti. Alguns minutos são suficientes para garantir essa proteção e contribuir para o bem-estar da comunidade. ”

Foto: Divulgação Secom Aparecida

Combate massivo permanente

O coordenador ainda informa que nesta semana as equipes da Vigilância com 106 agentes de endemias realizaram visitas domiciliares e bloqueios simultaneamente em 30 setores, dentre eles Tiradentes, Buriti Sereno I,II,III e IV, Boa Esperança II, Goiânia Park Sul I e Parques São Jorge, Trindade II e Trindade III. Os trabalhadores também recolheram mais de 2 mil pneus por dia, visitaram empresas e o carro de “fumacê” voltou a circular pela cidade depois de estar suspenso em todo o Estado de Goiás desde 2015.

“Só no Buriti Sereno nossas equipes visitaram mais de 12 mil imóveis. Intensificamos ainda mais as ações, inclusive com o fumacê, naquele bairro e em outros que têm mais casos notificados na cidade. Até agora, em 2022, de todas as notificações, 57% são em mulheres e 48% em homens. Os 4 bairros com maior número de casos são o Buriti Sereno I (533), o Jardim Tiradentes (281), o Garavelo I (267) e o Madre Germana (235). Focamos nos locais com mais notificações, mas não descuidamos de nenhum setor, atuamos em toda Aparecida sem parar”, reforça o coordenador.