Polícia prende suspeitos de fazer reféns em roubo e recupera cachorro

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Grupo ameaçou cinco moradores em assalto, mas ninguém se feriu.

Quatro jovens com idade entre 19 e 22 anos foram presos, na noite de quinta-feira (10), suspeitos de roubar uma residência e manter moradores reféns, em Goiânia. Nas casas dos rapazes, integrantes do Grupo de Radiopatrulha Aérea (Graer) recuperaram eletrônicos e até o cachorro da família, que também havia sido levado no assalto.

De acordo com o tenente do Graer Alessandro Regys Reis de Carvalho, o assalto ao imóvel no Setor Campos Elísios, na região leste da capital, aconteceu na quarta-feira (10). Na ocasião, cinco pessoas estavam na casa e foram feitas reféns pelos ladrões. Apesar do susto e das ameaças, os moradores não foram agredidos.

Os assaltantes fugiram no carro da família, que foi abandonado horas depois sem as rodas. Eles também usaram um Fiat Palio na ação. Foi por meio deste automóvel que o Graer chegou aos suspeitos.

“Fizemos o monitoramento e conseguimos visualizá-los andando no carro que eles utilizaram no roubo, na Vila Mauá. Na abordagem, três deles estavam no veículo e apontaram onde estava um quarto indivíduo e os objetos roubados”, disse o tenente ao G1.

Na casa do rapaz de 19 anos os policiais encontraram o cachorro. Segundo informações da proprietária do imóvel assaltado, o filhote é da raça blue heeler.

“O filhote estava tranquilo e logo reconheceu a dona, que ficou emocionada. Eles [criminosos] não falaram o que iam fazer com o cachorro, mas é um cachorro caro. Segundo as vítimas, custa cerca de R$ 2 mil”, contou o tenente.

Os policiais também apreenderam um das duas armas usadas no crime, um violão, uma televisão e dois notebooks. Entre os objetos que não foram localizados estão as quatro rodas do carro da família.

A equipe do Graer encaminhou os jovens ao 8º Distrito Policial. Até o início da manhã desta sexta-feira (11), os suspeitos seguiam no local, onde prestavam depoimento. No entanto, após as oitivas, eles devem ser transferidos para a carceragem da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic).

G1

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.