Polícia Civil prende cinco suspeitos de fraudar concurso para delegado

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Quatro candidatos confessam crime e indicam agenciadores. A pedido da SSPAP, certame é suspenso pela Segplan até que as investigações sejam concluídas

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Decarp), prendeu no final da tarde de domingo (12/03), cinco suspeitos de fraudar concurso público para delegado substituto em Goiás. O secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), Ricardo Balestreri, o delegado geral da Polícia Civil, Álvaro Cássio e os delegados responsáveis pelo caso, André Bottesini e Rômulo Figueiredo, participaram da apresentação do caso nesta segunda-feira (13/03).

Em atendimento ao pedido da SSPAP, a Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan) decidiu suspender o certame.Segundo a resolução 001/2017, a suspensão visa garantir a todos os candidatos e à comunidade em geral a manutenção dos princípios constitucionais e é por prazo indeterminado, até que se conclua o processo de investigação.

Quatro são candidatos que passaram na primeira fase do processo. Eles foram identificados e detidos em flagrante quando saíam dos prédios onde realizaram a segunda fase da prova. Confessaram o crime e indicaram os agenciadores. A investigação teve início após recebimento de e-mail denunciando a fraude.

Os candidatos pagavam entre R$ 120 mil a R$ 395 mil por uma vaga, e eram aliciados de duas formas. Um dos agenciadores atuava na porta de cursinhos preparatórios em uma cidade-satélite do Distrito Federal. Em Goiânia, outro agia dentro do seu próprio círculo social. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados para não atrapalhar as investigações.

De acordo com a polícia, um dos agenciadores, dois intermediários e um candidato que não foi fazer a prova ainda devem ser presos. O grupo deve responder pelos crimes de falsidade material e ideológica, formação de quadrilha e fraude em concurso público. A polícia acredita, ainda, na possibilidade da participação de outras pessoas, além das que já foram presas e identificadas.

Segundo os responsáveis pelo caso, os delegados André Bottesini e Rômulo Figueiredo, os candidatos são de famílias ligadas à Justiça, conhecidas e influentes em Goiânia, e tinham a certeza de que ingressariam na carreira de delegado via fraude.

Uma candidata chegou a vender um carro e estava negociando uma casa para pagar a quadrilha. Ela aguardava a aprovação no concurso para fazer um empréstimo consignado e, assim, pagar o restante do valor acertado com o agenciador.

Um outro candidato sequer tinha a formação exigida no edital do concurso. Ele é contador e, além da vaga no concurso, também estava comprando o diploma de bacharel em Direito, para tomar posse na carreira de delegado.

Uma nota obtida por um dos candidatos na primeira fase do concurso, chamou a atenção dos demais participantes: era o primeiro concurso prestado por um dos suspeitos, mesmo assim, ficou nas primeiras colocações, e obteve uma nota de 95 pontos. Segundo ele, em outros concursos semelhantes, a média das notas não passa de 80 devido à dificuldade da prova.

O delegado Rômulo Figueiredo informou que, nesse primeiro momento, não foi possível apurar a participação de servidores da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), nem do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), organizadoras do certame.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.