PML: Vitória do ‘não’ pode mudar curso da história – não só da Grécia

0
27

Vamos combinar que a espetacular vitória do Não, com 61% votos a favor, margem que não permite dúvidas sobre a vontade da população da Grécia, é acima de tudo uma vitória da dignidade humana. A fé na humanidade só pode ficar um pouquinho maior — apesar de todas as ressalvas — após o resultado de ontem.

Não pode haver argumento possível para convencer um povo que enfrentou uma redução de 30% em sua riqueza nacional a dizer “Sim” a um projeto de austeridade de natureza neo-colonial, imposto de fora para dentro, sem respeito à soberania do país.

E no entanto havia quem defendesse o “Sim.” Quem tentasse explicar que não havia outra saída. Que não há alternativa possível fora de uma austeridade que atingiu um nível criminoso.

Estes perderam — e esta é uma lição universal, tão antiga como útil.

Vamos pensar. Supondo só por hipótese que essa redução da riqueza tenha sido linear, atingindo igualmente os mais ricos, os remediados e os mais pobres — nós sabemos que não é assim, certo? — pense no sujeito que passou a comer 30% a menos. A dar 30% a menos de mesada para o filho. A ter menos 30% para o supermercado, a farmácia, as férias e o café com os amigos. Mesmo admitindo que a história humana exibe reações espantosas de conformidade e paralisia em situações extremas e difíceis, é bom reconhecer que chegou-se a um limite inaceitável.

Nada seria mais deprimente, nessa situação, do que um voto a favor da prorrogação de uma política econômica fracassada. Se programas anti-populares dessa natureza podem ser aplicados a partir de regimes ditatoriais, o plebiscito mostrou que é irracional pensar que podem ser referendados numa democracia. Salvo em situações de extremo auto-desprezo político, um caso não só para analises políticas, mas para psicólogos e psicanalistas, historiadores que décadas depois iriam tentar explicar por que um povo foi capaz de caminhar voluntariamente para o matadouro, quando teve a opção de votar por outra coisa.
Já lemos muitos trabalhos a esse respeito sobre outros povos e países, não é mesmo?

Imagine acreditar em “ajuda” do FMI, em “socorro” de Angela Merkel após um programa de desastres perseguido com clareza e determinação desde o colapso de 2008/2009. A postura arrogante, os ultimatos, as cobranças permanentes sempre deixaram claro que não havia um debate técnico entre o governo grego e a Europa — apenas uma política de domínio e submissão.

É certo que há um elemento desconhecido depois de ontem. Os dois lados passarão a viajar por mares nunca antes navegados desde a formação da União Européia. Mas, quando o conhecido mostra-se insuportável um certo risco torna-se necessário — aprende-se a partir de tantas mudanças ocorridas na História.

Mesmo olhando o futuro com uma perspectiva muito modesta, ficou mais fácil, agora, enxergar qualquer concessão, ainda que minúscula, do que antes. A saída do Ministro das Finanças é um sinal de que o primeiro-ministro Alexis Tsripas pretende encontrar uma solução negociada. É um mistério saber até onde irá receber benefícios reais. Podem mesmo ocorrer novos sacrifícios.

A vitória no plebiscito teve o papel de confirmar o resultado das eleições em janeiro. O “Sim” teria sido um atestado de óbito para o primeiro ministro Alexis Tsripas, seis meses depois da posse. O “Não” lhe garante oxigênio, impede o sufoco numa situação desfavorável pela hegemonia absurda dos programas de austeridade no Velho Mundo, onde o capital financeiro parecia ter construído uma fortaleza inexpugnável.

Para lembrar outros momentos históricos, em outras época, com outros personagens, pode-se dizer que ontem quebrou-se o elo mais fraco de uma cadeia. Outras rupturas podem apresentar-se no horizonte, a começar pela Espanha, onde ocorrem eleições em novembro.

O mundo inteiro só tem a ganhar com isso.

247