PF prende 8 pessoas envolvidas em fraudes do seguro-desemprego

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

As prisões foram feitas em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Pará.

Polícia Federal investiga a participação de casas lotéricas em fraudes para sacar R$ 3 milhões em seguro-desemprego de terceiros, em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Pará. Segundo a corporação, em apenas uma loteria de Goiânia foi feito o cadastro de senha em cerca de 1 mil unidades do cartão cidadão, sem o conhecimento dos titulares. Oito pessoas foram presas nesta quarta-feira (19) suspeitas de integrar uma quadrilha especializada no golpe.

De acordo com o delegado Luciano Dornelas Faipher, o grupo descobria, por meio de empresas que prestam serviço à Caixa Econômica Federal, quem tinha direito ao benefício e alterava, por meio da central de atendimento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o endereço para entrega dos cartões. Com o documento em mãos, as senhas eram cadastradas nas unidades lotéricas e o saque era feito antes do beneficiário procurar o seguro.

“Para cadastrar a senha do novo cartão, eles utilizavam de dois modus operandi possíveis. O primeiro era o de confeccionar documentos falsos e identidades falsas no nome dos reais beneficiários. E o segundo, e mais comum, era contar com a participação das lotéricas. Nós tivemos um caso em Goiânia que só uma lotérica cadastrou a senha de mil cartões, ao preço de 30 reais por cartão”, afirmou o delegado.

O Sindicato dos Lotéricos do Estado de Goiás informou por telefone à TV Anhanguera que não tem conhecimento de estabelecimentos envolvidos na fraude. Disse ainda que qualquer suspeita pode ser comunicada para a Superintendência da Caixa Econômica, que faz o imediato bloqueio das contas.

Já a Caixa Econômica informou que tem colaborado com a Polícia Federal e com autoridades, repassando todas as informações solicitadas. O banco orienta os trabalhadores que podem ter sido vítimas a procurarem o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para que as providências sejam tomadas.

Vítima

Adailton era servente de pedreiro e foi demitido sem justa-causa. Quando foi sacar o beneficio, em 2015, descobriu que outra pessoa havia sacado por ele. Na época, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) bloqueou 21 mil benefícios suspeitos de fraude.

Segundo informou a Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego em Goiás informou à TV Anhanguera, quando fica comprovado que houve fraude, o trabalhador que foi vitima tem direito a receber o que foi desviado.

No entanto, Adailton afirma que não recebeu o benefício que teria sido desviado por golpistas. “Até hoje não recebi nada, tem mais de dois anos”, disse.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.