PF prende 8 pessoas envolvidas em fraudes do seguro-desemprego

0
284

As prisões foram feitas em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Pará.

Polícia Federal investiga a participação de casas lotéricas em fraudes para sacar R$ 3 milhões em seguro-desemprego de terceiros, em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Pará. Segundo a corporação, em apenas uma loteria de Goiânia foi feito o cadastro de senha em cerca de 1 mil unidades do cartão cidadão, sem o conhecimento dos titulares. Oito pessoas foram presas nesta quarta-feira (19) suspeitas de integrar uma quadrilha especializada no golpe.

De acordo com o delegado Luciano Dornelas Faipher, o grupo descobria, por meio de empresas que prestam serviço à Caixa Econômica Federal, quem tinha direito ao benefício e alterava, por meio da central de atendimento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o endereço para entrega dos cartões. Com o documento em mãos, as senhas eram cadastradas nas unidades lotéricas e o saque era feito antes do beneficiário procurar o seguro.

“Para cadastrar a senha do novo cartão, eles utilizavam de dois modus operandi possíveis. O primeiro era o de confeccionar documentos falsos e identidades falsas no nome dos reais beneficiários. E o segundo, e mais comum, era contar com a participação das lotéricas. Nós tivemos um caso em Goiânia que só uma lotérica cadastrou a senha de mil cartões, ao preço de 30 reais por cartão”, afirmou o delegado.

O Sindicato dos Lotéricos do Estado de Goiás informou por telefone à TV Anhanguera que não tem conhecimento de estabelecimentos envolvidos na fraude. Disse ainda que qualquer suspeita pode ser comunicada para a Superintendência da Caixa Econômica, que faz o imediato bloqueio das contas.

Já a Caixa Econômica informou que tem colaborado com a Polícia Federal e com autoridades, repassando todas as informações solicitadas. O banco orienta os trabalhadores que podem ter sido vítimas a procurarem o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para que as providências sejam tomadas.

Vítima

Adailton era servente de pedreiro e foi demitido sem justa-causa. Quando foi sacar o beneficio, em 2015, descobriu que outra pessoa havia sacado por ele. Na época, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) bloqueou 21 mil benefícios suspeitos de fraude.

Segundo informou a Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego em Goiás informou à TV Anhanguera, quando fica comprovado que houve fraude, o trabalhador que foi vitima tem direito a receber o que foi desviado.

No entanto, Adailton afirma que não recebeu o benefício que teria sido desviado por golpistas. “Até hoje não recebi nada, tem mais de dois anos”, disse.