Parlamento da Venezuela rejeita estado de exceção decretado por Maduro

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

O Parlamento venezuelano, onde a oposição tem maioria, rejeitou nessa terça-feira (17) o estado de exceção e de emergência econômica decretado pelo presidente Nicolás Maduro.

Os deputados consideram que o estado de exceção “aprofunda a grave alteração da ordem constitucional e democrática que a Venezuela sofre”.

Para os parlamentares, Maduro ignorou a Constituição ao declarar, na segunda-feira, o “estado de exceção e de emergência econômica” em todo o país, por 60 dias.

No decreto que estabelece o estado de emergência, o governo da Venezuela aumenta os seus poderes sobre a segurança, a distribuição de alimentos e a área de energia.

Em entrevista ontem, Nicolás Maduro afirmou que “é uma questão de tempo” para que o Parlamento venezuelano “desapareça”, por estar desligado dos interesses do país. “A Assembleia Nacional da Venezuela perdeu vigor político. É questão de tempo para que desapareça”, disse.

“A Assembleia Nacional está desligada dos interesses nacionais. Tenho a certeza de que [os parlamentares] vão negar o decreto, porque querem acabar com a vida econômica do país, para chegar com um tapete vermelho a Miraflores [a sede do governo]”, acrescentou.

Tareck El Aissami, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv), no governo, disse que a Constituição tem de ser respeitada e que não será realizado o referendo pedido pela oposição para destituir Maduro.

“Temos de fazer respeitar a Constituição. Há um regulamento do Conselho Nacional Eleitoral que eles [a oposição] insultam quando querem”, afirmou El Aissami, que é também governador do estado de Arágua.

Um dos principais líderes da oposição venezuelana pediu ao Exército para escolher entre a Constituição e o presidente Nicolás Maduro.

ABr

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp