Aparecida de Goiânia, quinta-feira, 23 de setembro de 2021
Meio Ambiente

Para salvar floresta, povo Ashaninka atua na coleta de sementes de árvores na Amazônia

Redação
2 de setembro de 2021

O 'Programa Sementes', no Acre, desenvolve manejo, coleta e a comercialização sustentável para preservar a mata nativa

“A nossa casa é rodeada de árvores, de plantas. Árvores para nós são a nossa proteção”. As palavras são de Francisco Piyãko, uma das lideranças do povo Ashaninka, comunidade indígena de origem peruana que ocupa o território brasileiro no extremo-oeste do Acre, coladinho com a fronteira do Peru. 

Há séculos o povo dele cuida da floresta e cultiva o hábito de manejar as sementes, de modo que espécies belíssimas jamais desapareceram. “Está na nossa cultura essa relação com a semente que é muito forte e finda que, quando a gente apresenta ele lá fora, sobre a ideia, a intenção desse projeto nosso, ele é muito admirado’”, conta Piyãko.

A ideia é coletar sementes e distribuir para onde estiverem precisando 

Desde 2017, a tradição secular do povo Ashaninka do rio Amônia ganhou um reforço institucional, com apoio da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Acre, foi criado o 'Programa Sementes', um método oficial que estabelece um plano de manejo, coleta e comercialização.

A própria comunidade faz o mapeamento, a coleta e a seleção por meio da cooperativa Ayõpare. O destino destas sementes são espaços onde há iniciativas de reflorestamento em todo Brasil.

:: Guardiãs e guardiões de sementes crioulas partilham grãos como forma de resistência :: 

“A gente vai na mata, escolhe a matriz, dependendo da espécie pode ser mogno, cedro ou copaíba. então, a gente vai lá, faz o trabalho de monitoramento, coordenar as espécies e espera ela chegar no ponto certo de produzir”, conta o agente florestal José Valdeci Piyãko.

4c6efd7e37e74950511e5180925b776f
Francisco Piyãko é uma das lideranças do povo Ashaninka / Reprodução

A escolha das árvores é criteriosa, sempre espécies saudáveis e em boa forma. Até o momento, o projeto já selecionou 855 matrizes, de 12 espécies diferentes

O trabalho exige esforço e muita técnica. Algumas coletas, por exemplo, demandam a perícia de um alpinista para alcançar as sementes no alto de uma árvore. Outras precisam de uma verdadeira expedição; tudo isso em nome da qualidade genética e da preservação da natureza.

:: Programa Bem Viver debate como desmatamento da Amazônia aumenta o CO2 na atmosfera :: 

“O objetivo maior nosso é fazer com que nós tenhamos uma estratégia de proteger essa matriz, manter essa floresta de pé e intacta, coletar sementes e distribuir essa semente para onde estiver precisando”, afirma Francisco Piyãko. 

A recompensa dessa iniciativa, se é que podemos falar em recompensa, é manter belezas como estas intactas e preservadas da destruição, porque onde há semente há renascimentos.

Edição: Douglas Matos

DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES?

envie um email para

[email protected]

2005 - 2021
magnifiercross linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram