Orientação sobre prevenção ao suicídio e ministrada em Aparecida

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

População de Aparecida recebe orientações sobre prevenção ao suicídio, em evento da SMS

Com o objetivo de alertar os profissionais de saúde e a população de Aparecida de Goiânia sobre a importância da prevenção ao suicídio, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu um seminário na manhã desta terça-feira, 18. O evento contou com a presença de dezenas de participantes, que lotaram o Auditório do AparecidaPrev para ouvir as orientações dos palestrantes, solucionar dúvidas e dialogar sobre a temática.

O secretário municipal de saúde de Aparecida de Goiânia, Alessandro Magalhães, prestigiou a atividade e destacou como ela é importante para a cidade. “O suicídio compromete a nossa sociedade. Todos os anos, perdemos pessoas com grandes potenciais, que poderiam contribuir com o coletivo. Prevenir e debater esse assunto é extremamente necessário”, alertou.

A coordenadora de Saúde Mental do município, Carolina Sartori, também ressaltou o impacto do debate para a sociedade: “O suicídio já é a segunda causa de morte no Brasil. Precisamos combatê-lo com diálogo, assistência e muita informação. É isso que Aparecida tem buscado”.

A diretora de Urgência, Emergência e Atenção Especializada de Aparecida, Amanda Melo, e o promotor de justiça, Reuder Motta, também participaram da abertura do evento. “Tenho certeza que todos nós sairemos daqui como multiplicadores do conhecimento compartilhado nesta manhã”, afirmou a diretora. Já o promotor de justiça pontuou: “A coordenação de Saúde Mental de Aparecida está de parabéns. São iniciativas como essa que fazem de vocês referência nacional”.

Palestras

A primeira palestra do seminário ficou a cargo da psicóloga Gelcimary Menegath, que explicou o que é crise suicida, quais são os principais fatores de risco e de proteção contra o suicídio, como deve ser o manejo de pacientes com risco e os cuidados que os profissionais de saúde precisam ter. “Geralmente, o paciente chega até nós com um sofrimento intenso. Mas, os profissionais não podem mergulhar nessa dor. Ao contrário, devem trazer o paciente para a sua paz”, orientou.

O médico psiquiatra, Flávio Carzola da Paz, apresentou os dados do último boletim epidemiológico do suicídio divulgado pelo Ministério da Saúde e a abordagem psiquiátrica sobre o assunto, além de elencar mitos sobre a temática. “Um terço das mulheres e 25% dos homens que cometem suicídio já haviam tentado por fim a própria vida anteriormente. Precisamos identificar e acompanhar essas pessoas. A maioria absoluta delas está doente e precisa de tratamento”, afirmou.

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp