Obama diz que os EUA não estão em guerra contra o islamismo

obamaO presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em seu discurso ontem (18) na Cúpula Internacional sobre a Violência e o Extremismo, que vai até hoje (19), em Washington, fez questão de separar as ações dos grupos extremistas, como o Estado Islâmico (EI), da religião islâmica. “Não estamos em guerra contra o Islamismo, mas contra aqueles que pervertem o Islamismo”, disse.

Durante a sua participação no evento, que reúne representantes de 60 países – dentre os quais 14 nações árabes, Obama voltou a combater a ideia de que a fé muçulmana é extremista.  “Os terroristas não falam por um bilhão de muçulmanos”.

Segundo ele, o próprio EI se beneficia do pensamento de que os muçulmanos são radicais. “Eles [EI] tentam retratar-se como líderes religiosos, guerreiros e santos em defesa do Islã”, disse. E acrescentou: “Esta é uma premissa mentirosa e não devemos conceder a esses terroristas uma legitimidade religiosa”.

Obama pediu ainda a união de países ocidentais e líderes muçulmanos para derrotar o extremismo. Uma das preocupações entre os países ocidentais e árabes, que condenam a ação do EI, é de que jovens estrangeiros recrutados regressem aos países de origem e cometam atentados terroristas.

Em janeiro, por exemplo, o Serviço Europeu de Polícia (Europol) informou que o número de cidadãos europeus nas fileiras jihadistas, em países como a Síria, podia chegar a 5 mil.

O presidente dos Estados Unidos discursou hoje para estudantes e convidados de diversas regiões dos Estados Unidos e para líderes de várias nações. Amanhã, ocorrerá a reunião com os representantes dos países e também com o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon.

ABr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios