O peso da camisa emeraldina

0
202

Após a “ressaca pós título”, comemoramos, sentimos o gosto de levantar mais uma taça, mesmo que seja apenas do Goianão. A atuação do time não foi de encher os olhos, longe disso, mas bem melhor que as que vinha apresentando. Talvez pela postura do Anápolis de jogar, facilitando assim o jogo do Goiás. Ofensivamente o time criou muito, a primeira vez que criamos bem sem o Daniel Carvalho, tivemos oportunidades claras de gol não convertidas, pena que defensivamente o time deixou muito a desejar, apesar de toda a experiência de David e Wendel é notório que falta fôlego, arriscaria até dizer que é uma dupla de volantes muito experiente mas com pouca vitalidade.

Ainda falando sobre a defesa, mas agora sobre os zagueiros, Deivid precisa se firmar. Falhou em um lance em que por falta de qualidade técnica do adversário não fez o gol, Anderson e Deivid precisam ser mais consistentes, passar mais confiança. Suéliton voltou, teve dificuldades em marcar Ricardinho, camisa 11 que pra mim foi o melhor do Anápolis no jogo, mas mesmo com todas dificuldades, prefiro Suéliton a Jhonathan. Juninho voltou a jogar bem, apoiou bastante e construiu a jogada do gol, provou o que eu pensava, é um bom ala, mas necessita de um bom meio campo para jogar com ele, triangular, armar jogadas. Após sua saída Patrick e Wendel revezaram na lateral esquerda, mas ficamos totalmente improdutivos por aquele lado. Assim então, espero que a defesa crie consistência e principalmente treine muito jogadas aéreas, ponto fraquíssimo da defesa esmeraldina.

O meio campo foi o ponto forte do Goiás na final. Enderson finalmente acertou em sua escalação. Volto a repetir que David e Wendel são jogadores experientes, que orientam e que tem um bom passe, principalmente David, mas ainda falta aquela vitalidade, precisamos criar alternativas, criar o homem surpresa no ataque, aquele volante que sobe com qualidade e consegue recompor, David e Wendel não são esses volantes, mas é uma opção do Enderson. O destaque do jogo pra mim esteve no meio campo e se chama Léo Sena. Fez o papel que Léo Lima deve fazer no Goiás, 3º homem de meio campo, o elo de ligação entre os volantes e o ataque, veio buscar bola, lançou, correu, driblou, chutou e fez gol. Nem eu, nem a torcida esmeraldina e nem o Anápolis esperávamos que um jogador da base, vindo da reserva e com poucas oportunidades durante o campeonato entraria e chamaria a responsabilidade para si. Espero que consiga repetir suas boas atuações. Wagner foi discreto, aparecia as vezes muito bem mas desaparecia muitas vezes, porém mostrou evolução quanto aos últimos jogos. Um bom reserva apenas.

Quanto ao ataque, Carlos Eduardo e Rafhael Lucas devem ser a dupla titular na série B, pelo menos no início. Carlos Eduardo não mostrou o futebol que vinha mostrando ao longo do campeonato, estava travado, sem velocidade e confiança, errou tudo que tentou. Após o jogo veio a justificativa, segundo uma rádio de Goiânia, Carlos jogou machucado. Irresponsabilidade ou não do DM, não cabe a mim julgar, até porque não sabemos a gravidade de lesão, mas devemos preservar um jogador jovem para não ter uma sequência de lesões, já que a quantidade de lesões musculares esse ano preocupa. Rafhael mostrou ser um jogador regular, com liberdade conseguiu criar jogadas, foi bem, mas longe de ser o atacante que precisamos, perdeu um gol infantil. Contratações devem chegar a esse setor e não devemos mais ter o desprazer de ver Cassiano e Cléo em campo, nenhum esmeraldino merece tal sofrimento.

Aliás, sobre contratações, ventila-se que o Goiás tem mãos uma lista de 14 jogadores, cerca de 4 ou 5 serão contratados. A informação é que o Goiás aguarda lista de dispensa de grandes clubes após o estadual, entre eles Palmeiras e Corinthians que fracassaram não só no Paulistão mas também na Libertadores. Os nomes presentes nessa lista contém jogadores que possivelmente estão na lista desses dois times e destaques dos Estaduais em times de menor porte. Com dinheiro em caixa, é dito que o Goiás planeja investir em jogadores promissores e trazer pelo menos duas realidades além de Léo Lima. A torcida é para que a realidade corresponda e a promessa surpreenda, mas temos que exigir jogadores com perfil de sucesso e não “Cassiano’s” que por onde passaram nada fizeram e na entrevista de apresentação, sendo atacante revela “não fazer muitos gols”.

Para encerrar, nós do Esmeraldino.com combinamos uma brincadeira a fim de abrir discussão sobre “quem vai ser quem” nesse Campeonato Brasileiro série B. Prometendo deixar o clubismo de lado, segue meus pitacos:

Campeão: Goiás (Levando se em conta que vamos contratar e claro, com um pouco de clubismo sim)
Sobem: Vasco, Bahia e Paysandú (Nessa ordem)
De 5º a 10º: Ceará, Joinville, Bragantino, Náutico, Sampaio Correa e Londrina
De 11º a 16º: Avaí, Atlético-GO, Brasil de Pelotas, Criciúma, Luverdense e Paraná
Rebaixados: Vila Nova, Oeste, Tupi e CRB

Que venha a série B e com ela um pouco de sorte e muita competeência nesse longo e disputado torneio. Avante!