Novos ministros da economia só depois da LDO aprovada

dilmaoDepois de convocar a Brasília os convidados para novos ministros (Joaquim Levy e Nelson Barbosa) e a assessoria da Presidência da República ter preparado o Salão Leste para um comunicado oficial, a presidente Dilma Rousseff decidiu suspender o anúncio da nova equipe econômica.

Segundo fontes do governo, a presidente quer esperar a aprovação pelo Congresso da nova Lei de Diretrizes Orçamentárias, com a mudança que, na prática, elimina a meta de superávit e, assim, não envolver os novos ministros nos problemas fiscais de 2014, que levaram à necessidade dessa alteração.

A expectativa, agora, é a de que a indicação dos novos ministros aconteça na quarta ou quinta-feira que vem– a depender da votação do Congresso.

De quinta para sexta-feira, houve mudança de expectativa para a distribuição dos cargos da equipe econômica em Brasília. Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, seria transferido para o Ministério da Fazenda – houve indicações de que ele permaneceria no BC e, em seguida, indicações de que ele irá mesmo para a Fazenda.

Da mesma forma, Joaquim Levy, que inicialmente iria para o lugar de Tombini no BC, depois para a Fazenda, e agora de novo para o Banco Central.

Vale lembrar que o nome de Levy surgiu depois da recusa de Luiz Carlos Trabuco, diretor-presidente do Bradesco, ao convite para ocupar o Ministério da Fazenda. É dada como certa a ida de Nelson Barbosa para o Ministério do Planejamento.

No período entre esta sexta-feira até a semana que vem, os novos ministros deverão montar suas equipes de trabalho. E, assim, além do novo ministro da Fazenda, do Planejamento e o presidente do Banco Central, também será formalizada a indicação do ministro do Desenvolvimento Econômico. O nome escolhido é o do senador Armando Monteiro (PT-PE), recebido pela presidente na manhã desta sexta-feira. Em seguida, Dilma avisou ao atual ministro Mauro Borges sobre a troca. Monteiro voltou ao Recife para o casamento de uma filha e só poderia retornar a Brasília para assumir o ministério na semana que vem.

Os cargos mais importantes no segundo escalão são a presidência do BNDES, que formalmente é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e a Secretaria do Tesouro, ocupada nos últimos anos por Arno Augustin, a quem é atribuída a autoria do que ficou conhecido como “contabilidade criativa”.

Essa “alquimia” nas contas públicas feita por Augustin teria sido, segundo fontes do governo, a principal razão da saída de Nelson Barbosa do Ministério da Fazenda em 2013. Augustin deve ser transferido para um cargo em Itaipu. Em Brasília, circulou o nome do diretor de Política Monetária do BC, Carlos Hamilton, para a Secretaria do Tesouro, uma indicação de que Tombini seria transferido para a Fazenda.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios