Município de Minaçu está obrigado a quitar folha de pagamento do funcionalismo público

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Acolhendo pedido feito em ação civil pública proposta pelo promotor de Justiça Daniel Lima Pessoa, a juíza Hanna Lídia Rodrigues Paz Cândido deu ao prefeito de Minaçu, Maurides Rodrigues do Nascimento, prazo de 48 horas para efetuar o pagamento de todo os valores devidos a título de remuneração (vencimentos, gratificações, décimo terceiro, férias) a servidores comissionados e efetivos. Em caso de descumprimento foi estabelecido o pagamento de multa diária no valor de R$ 5 mil, que incidirá no patrimônio pessoal do prefeito.

Também foi fixada multa de R$ 5 mil a ser imputada ao prefeito caso o município não pague todos os seus servidores até o quinto dia do mês posterior ao mês trabalhado. Caso isso ocorra, será feito o bloqueio de 60% das transferências constitucionais, além da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), valores que devem ser destinados exclusivamente ao pagamento dos servidores.

Para a magistrada, “vislumbra-se um total desrespeito do administrador do município de Minaçu com o funcionalismo público, circunstância que está a causar comprometimento dos serviços públicos prestados, além de consolidar sérios transtornos aos funcionários, consequentemente, aos seus familiares e ao comércio local, tendo em vista que o município é um dos maiores empregadores locais”. E acrescentou que as medidas visam não apenas garantir ao trabalhador o direito a receber seu salário, mas permitir que uma população inteira tenha a garantia de suas condições mínimas de sobrevivência, além da prestação eficiente e de qualidade dos serviços públicos.

Segundo Daniel Pessoa, a má execução orçamentária do município gerou dano à regularidade fiscal da administração, ferindo, portanto, o princípio da responsabilidade fiscal. Assim, o desequilíbrio orçamentário pôde ser constatado principalmente pela recorrente situação de atraso no pagamento dos salários, gratificações, titularidades, décimo terceiro e férias dos servidores públicos municipais.

Na ação foi relatado que o MP recebeu, ao longo de 2015, diversos ofícios do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Minaçu sobe a situação de atraso no pagamento do funcionalismo, demonstrando também que a irregularidade e inconstância na quitação da folha têm ocorrido desde o final de 2013.

Desse modo, o promotor passou a acompanhar a fiscalização da política pública relacionada à remuneração dos servidores de Minaçu. Em setembro de 2015, foi requerida uma série de informações da administração municipal, até hoje não respondida. Já em novembro, o MP recomendou o pagamento dos atrasados e a tomada de providências para evitar a mora constatada nos meses supervenientes, com remessa de informações no prazo de dez dias e a lista dos servidores com salários em atraso, o que também foi ignorado pelo gestor.

No final de novembro, em reunião com servidores municipais, o promotor constatou a permanência das irregularidades e a notícia de que a partir de janeiro os servidores entrariam em greve por tempo indeterminado até que as reivindicações da categoria fossem atendidas, o que motivou a propositura da ação para garantir o cumprimento do compromisso assumido no ato da posse do gestor com relação à observância da legislação, à promoção do bem social, união, integridade e desenvolvimento do município.

Gastos com shows
Na decisão, a juíza determinou ainda que o município e o prefeito se abstenham de realizar qualquer despesa para a realização de eventos festivos enquanto durar a situação de inadimplência para com os servidores públicos municipais. Assim, foi determinada a suspensão do Pregão Presencial nº 25/2016, e também a realização de qualquer outro procedimento licitatório ou com dispensa de licitação destinado a contratar bandas, artistas, empresas, produtores culturais, iluminação, sonorização, montagem de palco, bares, restaurantes ou outros serviços atrelados a eventos, sob pena de multa pessoal diária de R$ 10 mil.

Por fim, a magistrada exigiu que qualquer procedimento envolvendo autorização de utilização de bens públicos para realizar eventos festivos durante o trâmite da ação deverá ser apresentado com antecedência de 30 dias ao juízo, com a apresentação de documentação que comprove o atendimento ao que prevê as Leis Municipais nº 2.008/2018 e 2.021/2010.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.