Mulheres no DF esperam até dois anos para fazer mamografia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

O governo do Distrito Federal, em parceria com as empresas que compõem o sistema de transporte coletivo do Distrito Federal, promoveram nesta quinta-feira (13), na Rodoviária do Plano Piloto, ações em apoio à campanha Outubro Rosa. Estava prevista a colocação de um ônibus no local com pessoal para dar informações sobre o câncer de mama   No entanto, as mulheres que procuraram orientação no local não conseguiram informações ou foram orientadas a procurar postos de saúde.

A merendeira Ivanete Vale, 50 anos, disse que sequer sabiam dizer onde seriam realizadas as orientações. “Eu estava passando por aqui e vi o movimento, parei. Estou atrás do tal ônibus [da campanha], mas ninguém sabe me explicar onde ele está. O que mais tem aqui é homem e mulher cheio de fitinha rosa, mas ninguém para orientar”, relatou.

Após os 40 anos, é indicado que a mulher faça a mamografia anualmente. Mas, segundo Ivanete, isso não acontece na rede pública onde, mesmo marcando o exame, a espera chega a ser de até dois anos. “Não estou conseguindo fazer a mamografia. Você chega no hospital, marca, para te atender são dois anos. Antes, quando tinha a carreta da mulher era mais fácil”, disse.

A dona de casa Maria de Fátima, 63 anos, uma das poucas a conseguir ser atendida por enfermeiras da campanha na rodoviária, falou que foi orientada a procurar um posto de saúde. “Eu não faço o exame há muito tempo. Tenho medo, porque dói muito. Mas vou fazer o que me orientaram, vou procurar o posto para consultar com o clínico e ele me encaminhar para fazer o exame”, disse.

Dos doze mamógrafos existentes nos hospitais públicos de Brasília, apenas quatro estão funcionando. Segundo o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, estão em andamento contratos para a manutenção e digitalização dos aparelhos. “Esperamos ter ainda esse mês os contratos assinados para fazer a manutenção corretiva e preventiva dos mamógrafos”, disse.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.