MP pede sequestro de bens da SSP para que Estado cumpra acordo que prevê construção de presídio militar

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

presidioO descumprimento, por parte do Estado de Goiás, de termo de ajuste de conduta que previa a construção de um presídio militar em Goiânia levou o Ministério Público de Goiás a propor ação de execução do acordo, assinado em 2011. A medida pretende que o Judiciário intervenha e obrigue o Estado a cumprir as obrigações assumidas, já que estão todas inadimplentes.

Para assegurar o cumprimento da obrigação o Ministério Público requereu o sequestro de verbas públicas na ordem de R$ 6 milhões, devendo o bloqueio recair em valores destacados para a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás. A ação de execução de termo de ajuste de conduta foi proposta na última semana pelos promotores Mário Henrique Cardoso Caixeta e Giuliano da Silva Lima, do Grupo Especial do Controle Externo da Atividade Policial (GCEAP) do MP-GO.

Na ação, os promotores esclarecem que desde 2006 o Ministério Público solicita a adequação do presídio militar do Estado de Goiás. Após reiteradas recomendações para a adequação da unidade, que é instalada de forma improvisada no Batalhão Anhanguera, no Setor Marista, em Goiânia, em maio de 2011, o Estado firmou termo de ajuste de conduta com o MP-GO para que fossem sanadas as irregularidades inúmeras vezes apontadas.

Assim, entre os compromissos assumidos estava o de construir, no prazo improrrogável de dois anos, a unidade prisional militar do Estado de Goiás, com o encaminhamento de relatórios trimestrais ao Ministério Público, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. Contudo, apesar de todos os projetos necessários à construção já estarem prontos no momento da assinatura do acordo, a obra sequer foi iniciada.

Solicitações reiteradas
Em agosto de 2012, 15 meses após a assinatura, integrantes da SSP e da PM reuniram-se com o Ministério Público de Goiás e apontaram que não havia orçamento para a construção do prédio, o que levou o MP-GO a encaminhar ofício à Superintendência de Planejamento e Finanças para a atualização monetária do projeto. Apesar disso, e das inúmeras solicitações de informações a respeito do andamento das obras, o MP não obteve respostas.

Visando solucionar a questão extrajudicialmente, o Ministério Público, em abril deste ano, solicitou novamente informações sobre o cumprimento das providências assumidas, mas o pedido ficou sem resposta.

Nenhuma obra
Na última quinta-feira (5/6), os promotores Mário Henrique Caixeta e Giuliano Lima estiveram no local definido para a construção do Presídio Militar (Rua 3, Colônia Santa Marta, Goiânia) e constataram que não existe qualquer tipo de construção iniciada ou concluída no local.

MPGO

Notícia postada em  

  • 10 de junho de 2014
  • Da Redação