MP denuncia delegados por falsidade em investigação de morte de cronista

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

delegadoO Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) ofereceu denúncia criminal por falsidade ideológica contra os delegados Manoel Borges de Oliveira e Everaldo Vogado da Silva. Segundo a ação, os dois, além do escrivão João Ferreira dos Santos, teriam manipulado um depoimento do açougueiro Marcus Vinícius Pereira Xavier, acusado de matar o cronista esportivo Valério Luiz de Oliveira, em julho de 2012, em Goiânia. A atitude teria como intuito, ajudar o empresário Maurício Sampaio, tido no inquérito como mandante do crime.

Ao G1, o delegado Manoel, que hoje chefia o 11º DP de Goiânia, afirmou que é inocente e que está sendo vítima de “perseguição”. “Essa denúncia é um absurdo, improcedente, inconsistente. Estou sendo bode expiatório nessa história. Não tenho culpa de que o Maurício Sampaio tenha saído da cadeia depois que fiz meu trabalho como delegado. Não houve dolo da minha parte”, disse.

A reportagem também tentou contato com o delegado Everaldo, mas as ligações não foram atendidas. O escrivão João Ferreira não foi localizado.

Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que o MP cumpriu o seu papel e que a denúncia foi feita com base no inquérito instaurado pela corregedoria da corporação sobre o envolvimento dos servidores no crime.

Falsidade De acordo com a denúncia, assinada pelo promotor de Justiça Fausto Campos Faquineli, o episódio teria ocorrido depois que Ruy Cruvinel Neto, advogado de Sampaio, procurou o 4º DP de Goiânia para registrar ocorrência de calúnia contra Lorena Nascimento e Silva Oliveira, viúva de Valério. Segundo o defensor, ela acusou seu cliente de tentar subornar o açougueiro. A declaração foi feita em uma entrevista, enquanto Marcus Vinícius estava preso na Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH).

O caso foi registrado por Everaldo, que era delegado ajunto do distrito na época. Porém, conforme a ação, Manoel, que era o delegado titular da delegacia, foi até a DIH para interrogar o açougueiro sem a presença do colega, que presidia o inquérito.

O depoimento do acusado foi colhido por Manoel e registrado por João. Apesar de somente os três estarem presentes, o delegado fez constar no termo de declaração, de forma falsa, segundo o MP, que Everaldo estava presente durante o interrogatório. Além disso, questionou Marcus Vinícius sobre sua participação na morte do cronista. A resposta teria sido manipulada de forma a tentar inocentar Maurício Sampaio.

De acordo com o promotor, Everaldo também foi acusado de falsidade porque assinou o termo redigido pelo escrivão, ratificando as informações dadas, mesmo não estando presente ao depoimento.

O documento foi usado para que a defesa de Maurício Sampaio conseguisse uma habeas corpus para ele. Quase dois meses depois do episódio, Marcus Vinícius foi ouvido pela Gerência de Correições da Polícia Civil e negou conhecer o conteúdo das declarações dadas a Manoel e João.

Apesar de acusar Manoel, o promotor optou por arquivar a denúncia contra ele, no mesmo caso, por corrupção passiva, alegando que não há elementos suficientes para comprovar o delito.

Crime O cronista esportivo Valério Luiz foi assassinado no dia 5 de julho de 2012, quando saía da rádio em que trabalhava, no Setor Serrinha, em Goiânia. O inquérito policial sobre o caso foi entregue ao Poder Judiciário pelos delegados Adriana Ribeiro e Murilo Polati, da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios, em 26 de fevereiro de 2013.

Foram quase oito meses de investigação. O documento aponta que as críticas que a vítima fazia ao Atlético-GO, principalmente as direcionadas ao então vice-presidente do clube, o cartorário Maurício Sampaio, motivaram o assassinato.

Cerca de um mês depois, no dia 27 de março, o Tribunal de Justiça de Goiás recebeu a denúncia do Ministério Público de Goiás. Como no inquérito, cinco pessoas foram indiciadas.

O ex-dirigente do Atlético-GO é considerado mandante do crime. Ele nega. A denúncia aponta também que o comerciante Urbano de Carvalho Malta contratou o cabo Ademá Figueiredo para matar o cronista. Ainda segundo o documento, Marcus Vinícius participou do planejamento do crime e Djalma da Silva foi indiciado por atrapalhar as investigações da polícia.

Notícia postada em  

  • 7 de junho de 2014
  • Da Redação