Motorista é multado ao circular na velocidade permitida, em Goiânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Placas em via indicam limite de 60 km/h, mesmo assim ele foi multado.

O motorista Eduardo Rodrigues dos Santos reclama que foi multado mesmo ao passar dentro da velocidade máxima permitida por um radar na Avenida Perimetral Norte, em Goiânia. No local, a placa indica que o limite é de 60 km/h. Porém, a notificação que ele recebeu diz que o trecho é de 50 km/h.

“As placas aqui não querem dizer nada, pois diz que o limite é 60 km/h e estamos sendo multados nessa velocidade”, lamentou.

O radar fica no cruzamento da Avenida Perimetral Norte com a Rua 12, no Setor Cândida de Morais. O fluxo de veículos no local é intenso, já que o trecho é uma das saídas de Goiânia e dá acesso a cidades como Trindade, Inhumas e Nerópolis.

Segundo o motorista, que trabalha para uma transportadora e já tem mais de 30 anos de profissão, outros colegas foram multados no mesmo trecho e tiveram que arcar com os custos de R$ 85,13 e acúmulo de quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), mesmo tendo respeitado o limite de velocidade que está destacado na via pública.

“Teve um [colega] que disse que já teve o valor descontado no pagamento de dezembro e ela [multa] foi gerada aqui nesse radar”, contou Santos.

A Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT) informou que o equipamento de fiscalização eletrônica em questão “registrou imagens incorretamente no período entre 16 de novembro a 9 de dezembro de 2015. O erro ocorreu em razão de problemas técnicos no registro de imagens feito pela empresa prestadora de serviços de fiscalização eletrônica à Prefeitura de Goiânia”.

O órgão diz que a empresa responsável foi notificada para prestar esclarecimentos sobre os problemas técnicos do equipamento e esclareceu que “as autuações emitidas indevidamente serão anuladas de ofício”, incluindo o caso de Santos.

Por fim, a SMT destacou que “o problema técnico do equipamento de fiscalização eletrônica já foi corrigido” e reiterou que se algum condutor tiver pago a multa “deve procurar os postos de atendimento da prefeitura nos Vapt-Vupts e protocolar pedido de ressarcimento de multa para os devidos fins”.

Agora, o motorista diz que espera que a fiscalização seja feita corretamente. “Eu penso que um trânsito responsável tem que começar das autoridades, mas elas não estão nem aí para isso. No meu caso, que sou motorista, esse é meu ganha pão e preciso andar direito para garantir o meu emprego”, destacou Santos.

G1

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.