Morre criança atingida por bala perdida no Recanto das Emas

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Morreu na madrugada desta quarta-feira (13/4) a menina Alícia Gabrielly da Silva Ferreira, de 6 anos, que foi atingida ontem com um tiro na cabeça na Quadra 116 do Recanto das Emas. A garota estava internada no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

Segundo Marlene Silva Gonçalves, vizinha da família, todos estão muito tristes e ainda não há previsão para o enterro da criança. “Ela passou por apenas uma cirurgia mas não resistiu, estamos todos muito abalados”.

Vítima da violência
Alicia foi atingida na manhã desta terça-feira (12/4) enquanto brincava com o irmão, 10, e uma amiga, 8. Testemunhas relataram que quatro jovens estavam debaixo de uma mangueira, também na praça, quando um homem encapuzado chegou armado e atirou nesses jovens. Eles correram em direção às crianças, que estavam sentados brincando. O homem que estava armado, saiu da bicicleta e foi em direção aos jovens. Após disparar vários tiros, voltou, pegou a bicicleta e foi embora.
Ao ver que a menina estava ferida, o irmão gritou por socorro. A mãe, Jéssica da Silva, 24 anos, saiu da casa e foi ao encontro das crianças, desesperada. Uma mulher que passava de carro pelo local parou e, com a mãe, levou Alícia para o 36° Grupamento de Bombeiro Militar (GBM), próximo ao local do crime. O sargento Paulo Sérgio, que prestou o primeiro atendimento, disse que a garota estava acordada quando chegou ao quartel. “Ela chorava muito e, quando aplicamos uma injeção, ela se retraiu como quem sente dor. Aparentemente, a bala atravessou a nuca e se alojou na cabeça”, afirmou. Com a ajuda do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), os militares transportaram a criança para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

Segundo Jacira Lima da Silva, 79 anos, sogra de Jéssica, Alícia era cheia de saúde e adora brincar. “Moro nos fundos da casa do meu filho, e sempre vi as crianças brincando por aqui. A menina era muito sorridente, não dava trabalho. É muito triste tudo isso”, contou. Ainda de acordo com Jacira, há algum tempo, era comum os moradores ficarem aflitos com a violência do local. “Entretanto, faz dois anos que não ocorre nenhum caso nesta quadra”, relata.

Uma comerciante da região, que não quis ter a identidade revelada, contou que a quadra já foi conhecida pelo tráfico de drogas. “Antes, tínhamos um posto policial aqui. No ano passado, ele foi queimado por vândalos e nunca mais tivemos policiamento constante. Já presenciamos muita coisa ruim, mas, ultimamente, estava tudo bem. É lamentável o que aconteceu.” A corporação também intensificou o patrulhamento na quadra. O caso é investigado pela 27° Delegacia de Polícia (Recanto das Emas).

CorreioBraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.