Meirelles: ainda não há data para envio da reforma da Previdência ao Congresso

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou hoje (14) que a prioridade do governo no momento é a aprovação, na Câmara dos Deputados, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que limita os gastos públicos, e que ainda não há data definida para o envio da proposta de reforma da Previdência ao Congresso.

“Isso é um assunto que está ainda em discussão e não há uma definição específica ainda de data. O que ficou claro na minha percepção e na percepção dos aqui presentes é que a PEC [dos gastos públicos] é fundamental e este é o foco do momento”, disse o ministro, após encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A proposta limita o aumento dos gastos públicos à taxa de inflação do ano anterior. Meirelles voltou a negar que o governo tenha intenção de flexibilizar o prazo de 20 anos de vigência da PEC, que propõe, no entanto, a possibilidade de revisão do índice de correção utilizado a partir do décimo ano. O ministro relatou que, durante o encontro, na residência oficial do presidente da Câmara, frisou que a questão do prazo é muito importante e comparou a situação a um tratamento de saúde.

“Como uma infecção e uma pessoa que está tomando um antibiótico, que é importante que não seja excessivo, mas também que seja na dosagem adequada. Porque, se for abaixo da dosagem adequada, não cura e vai acabar criando resistência no organismo”, destacou. Meirelles disse ainda o prazo na proposta do governo deve ser suficientemente longo para que todos possam fazer as suas projeções e concluir se a trajetória da dívida é de aumento, estabilização ou queda. “Não podemos fixar um prazo que não garanta que a dívida pública não só vai parar de subir, mas vai cair em percentagem do produto”, completou.

O ministro voltou a ressaltar que é fundamental entender que a crise no país foi causada pela excessiva elevação dos gastos públicos nos últimos anos. Ele informou que, de 2007 a 2015, houve um crescimento dos gastos públicos federais de mais de 50% acima da inflação. Para ele, o consenso é que isso é insustentável e gera uma desconfiança na economia. “Isso foi a herança que recebemos. Nos compete resolvê-la. Não lamentar, mas resolvê-la.”

Meirelles disse ainda, após o encontro, que existiu uma aceitação muito grande das lideranças políticas e que há uma disposição de enfrentar o problema e resolvê-lo. “Já temos uma recuperação da economia. A confiança já voltou a subir. A confiança do consumidor, dos empresários. A economia já começa a dar sinais de que vai reagir e é importante que isso se consolide com a aprovação da emenda constitucional [dos gastos]”, destacou. Para o ministro, há a concordância de que o foco deve ser totalmente na aprovação da emenda dos gastos e que a partir daí se construa uma plataforma de crescimento sustentável do Brasil para os próximos anos.

Saúde e educação

O ministro defendeu ainda que é muito importante deixar claro que o limite de gastos dá ao Congresso a prerrogativa de alocar os itens do Orçamento. Segundo ele, o Orçamento vai alocar exatamente as despesas para cada área específica do governo federal dentro das prerrogativas parlamentares. “Define-se um teto para o crescimento dos gastos e, ao mesmo tempo, garante-se a evolução do piso para as despesas de saúde e educação. É importante não haver a confusão do teto com o piso. Isto é, tem um teto para o crescimento dos gastos públicos e tem um piso para o crescimento de educação e saúde. São coisas diferentes que têm que ser compatíveis para funcionar”, reafirmou. Meirelles acrescentou que existe uma conclusão unânime de que os duas áreas (saúde e educação) têm que estar compatibilizadas, senão vai diminuir muito o espaço para as outras despesas necessárias da União.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ressaltou que o cronograma para a votação da PEC está sendo cumprido à risca e que acabou o prazo para a apresentação das emendas ontem (13). Com isso, a partir de hoje, já seria possível até votar o tema na comissão especial. “Isso acontecerá na primeira semana de outubro. Mas, o mais importante que aconteceu nesta semana, ontem, foi a informação que os governadores deram ao ministro da Fazenda. Uma herança muito clara que foi deixada pelo governo anterior. Catorze estados pensam em decretar calamidade financeira. Isso prova a urgência da aprovação da PEC do testo de gasto”, destacou.

Segundo Rodrigo Maia, a situação dos estados é uma demonstração clara de que a aprovação da PEC dos gastos, e da reforma da Previdência depois, “não tirará direitos”. “Vem para garantir os direitos futuros de cada um dos brasileiros. Então, estou confiante no cronograma e na aprovação dessas matérias. Porque considero que a aprovação dessas matérias, mas principalmente da PEC dos gastos até o final de outubro e início de novembro, vai garantir um horizonte de recuperação econômica e de confiança no Brasil para que o setor privado possa a investir e a gerar emprego”.

Campanha de esclarecimento

O líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), defendeu os ajustes, mas pediu ações para esclarecer a sociedade sobre as reformas. “Vamos ter que fazer uma comunicação muito forte, seja dentro do Congresso, para convencer os parlamentares, seja fora, para a população brasileira, para sociedade. Mostrar as reais condições em que o país se encontra com risco de insolvência dentro de quatro ou cinco anos. São questões extremamente importantes e precisamos levar isso com muita atenção e responsabilidade”, disse.

Questionado sobre a proposta do deputado, Meirelles afirmou que a reunião de hoje é parte da estratégia e um dos passos seguintes será mesmo definir ações para melhorar a comunicação, não só com os parlamentares, mas também com a sociedade. “Estamos avaliando todas as sugestões e estaremos adotando as medidas necessárias nas próximas semanas, porque é muito importante [também] que os prazos sejam estabelecidos e cumpridos.”

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.