Marconi e Iris estão aí porque falta competência para tirá-los de cena

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

irisIris Rezende (PMDB) está voltando ao jogo eleitoral em Goiás porque faz política. Há 55 anos.

O governador Marconi Perillo (PSDB) não é ainda candidato porque faz política. Ajusta sua estrutura para então ser – ou não ser.

A presidente Dilma (PT) está apanhando porque não fez; o companheiro Lula é ‘o cara’ porque fez muito bem nos seus dois governos. Tanto fez que elegeu, para sucedê-lo, a própria.

O ex-governador Alcides Rodrigues (PSB, ex-PP) pouco fez enquanto estava no poder, e foi atropelado por ela, comandada por Marconi, que mandava em seu governo mais do que ele.

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), nega a política. Se apresenta como técnico da sustentabilidade. Fala bonito. Fizesse, teria conseguido aprovar na Câmara o ajuste no IPTU, o que lhe daria o que agora falta: dinheiro. Na prática, faz feio, com uma administração mal avaliada.

O empresário Júnior Friboi nunca fez, muito menos depois que chegou ao PMDB. Ele é como o cara rico que, para ter doce à vontade, compra a loja inteira. Como o segredo do negócio não está na loja, e sim no doce, logo se dá conta de que tem nas mãos um problema, nem de longe uma solução. Ele não mexeu o doce. Iris nunca deixou de mexer.

Reclamar de Iris que ele não dá espaço para ninguém, só ele quer ser candidato, é ignorar outra coisa: falta competência para quem quer tirá-lo do jogo. Ele merece mais elogios do que críticas; quem o critica é que não consegue se estabelecer nas regras do jogo.

Marconi Perillo está o dobro de tempo no poder do que Iris já esteve. O seu tempo novo só produziu dois governadores: ele e Alcides. O chamado ‘tempo velho’ irista produziu Iris, Onofre Quinan, Maguito Vilela, Agenor Resende, Henrique Santillo, Naphtali Alves e Helenês (por um mês) Cândido.

Mas quem diz que Marconi está velho? Quem diz que ele não dá espaço a ninguém?

Também na situação ninguém se estabeleceu. Mérito de Marconi Perillo.

Iris e Marconi podem voltar a se enfrentar não por ‘culpa’ dele. Por incompetência alheia.

Essa história de crucificá-los por fazerem bem o que outros não fazem, que é política como ela é, não passa de desculpa para quem não quer enxergar o óbvio: vencê-los é o desafio; negá-los, o erro estratégico.

Política, como ocupação de espaço, é arena de heróis. Coadjuvantes são os que se contentam em fazer parte, chorar a própria desgraça, para morrer incautos no final.

Na política, como na vida, vencem os melhores.

Diário de Goias

Notícia postada em  

  • 7 de junho de 2014
  • Da Redação