Mãe de mulher achada morta dentro de saco lamenta crime: ‘Covardia’

0
72

Corpo de Ana Paula da Silva, 23, foi enterrado neste domingo, em Goiânia.

mulherO corpo da usuária de drogas Ana Paula Pereira da Silva, de 23 anos, encontrado dentro de um saco plástico em uma rua, foi enterrado neste domingo (28), no Cemitério Jardim da Saudade, em Goiânia. Mãe da vítima, a cabeleireira Vilma Pereira dos Santos Silva está revoltada com a forma que o crime ocorreu, apesar da filha ter envolvimento com entorpecentes.

“É uma covardia, uma crueldade muito grande. Mesmo que ela estivesse errada [em usar drogas] não podia ter acontecido da forma que foi. Ela é um ser humano. Estou muito magoada”, disse a mulher ao G1.

O crime ocorreu na última quinta-feira (25), dia de Natal, no Setor Jardim Nova Esperança, em Goiânia. Câmeras de segurança de um supermercado flagraram o momento em que o corpo de Ana Paula é levado por um homem, que está preso, dentro de um saco. Ele tenta atear fogo no material, mas não consegue e vai embora caminhando calmamente. O corpo foi encontrado por um catador de materiais recicláveis que tomou um susto e disse que pensou se tratar de um manequim.

Vilma afirmou que estava na casa de parentes do marido em Tocantins quando soube da notícia e teve que viajar às pressas à Goiânia para acompanhar o sepultamento. Ela cuidava de duas das três filhas pequenas que Ana Paula já tinha – a outra era criada por uma tia paterna da criança. No Instituto Médico Legal (IML), foi descoberto que a jovem estava grávida de 5 meses.

“Como ela morava na rua, a qualquer momento a gente esperava que ela poderia morrer, mas não desejo isso nem para o meu pior inimigo. Eu tentei interná-la por várias vezes, mas ela não queria. Usava drogas desde os 15 anos e depois foi engravidando. Mesmo assim, queria minha filha comigo”, lamenta.

O caso é conduzido pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH). O G1 entrou em contato com o delegado Fábio Meireles, responsável pelo inquérito, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

G1