Lula amplia vantagem, vai a 48% e pode vencer no primeiro turno

Saída de Dória da disputa beneficiou o petista, que subiu, enquanto Bolsonaro caiu

Da Redação
27/05/2022 - 04:19
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Lula amplia vantagem, vai a 48% e pode vencer no primeiro turno

Pesquisa Datafolha divulgada no início da noite desta quinta-feira (26) mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 48% das intenções de voto no primeiro turno, contra 27% de Jair Bolsonaro – vantagem de 21 pontos percentuais para Lula.

Segundo o levantamento, o pré-candidato pelo PT pode vencer no primeiro turno: todos os adversários somados chegam a 40%. Na pesquisa anterior, em março, Lula tinha 43%, contra 26% de Bolsonaro.

O cenário de polarização – que a busca pela terceira via não consegue reduzir – entre os dois líderes da corrida pelo Planalto parece se consolidar. Ciro Gomes (PDT) aparece apenas com 7%. Nenhum outro nome colocado na pesquisa passa de 2%. Brancos ou nulos somam 7%. Por fim, 4% dos pesquisados dizem não saber em quem votar.

Depois de Lula, Bolsonaro e Ciro, seguem-se dez pré-candidatos com desempenho “pífio’, segundo o Datafolha: André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB) – a aposta atual da chamada terceira via –, com 2%. Pablo Marçal (Pros) e Vera Lúcia (PSTU) têm 1%. Felipe d’Avila (Novo), Sofia Manzano (PCB), Leonardo Péricles (UP), Eymael (DC), Luciano Bivar (UB) e General Santos Cruz (Podemos) não pontuam.

A pesquisa foi feita com 2.556 eleitores acima dos 16 anos em 181 cidades de todo o país, nesta quarta (25) e quinta-feira (26). Foi registrada registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-05166/2022. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos.

O estudo mostra que Lula cresceu na pesquisa espontânea, quando o pesquisador não mostra os nomes dos candidatos: chegou a 38%, 8 pontos a mais do que em março, quando foi citado por 30%. Bolsonaro tinha 23% em março e oscilou para 22%. O índice do petista é o melhor desde o início da atual série histórica do instituto, em maio de 2021.

Fonte: RBA e Folha