Lucio Costa na intimidade: filha lança livro sobre urbanista de Brasília

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Maria Elisa lança hoje livro que conta hábitos simples do pai, como o de levar sempre o casaco quando saía de casa para andar de frescão, um coletivo do Rio de Janeiro.

O arquiteto e urbanista Lucio Marçal Ferreira Ribeiro Lima Costa deixou um legado tão extenso quanto o nome. Diversas publicações ajudam a compreender a trajetória profissional do homem que definiu Brasília no papel e na história. Maria Elisa, filha do arquiteto, decidiu compartilhar o lado pessoal do homem que desenhou o Plano Piloto no terraço do apartamento em que vivia no Rio de Janeiro. Ela lança hoje, às 18h, no Clube do Choro, o livro Lucio Costa, inventor de Brasília. Aos 79 anos, Maria Elisa resume o pai em poucas palavras: “O homem mais livre que conheci na minha vida. Tinha clareza em relação aos limites, o pé no chão, mas fez voos altos. Característica ideal para fazer Brasília”.

O livro de 132 páginas foi escrito como se fosse uma conversa da filha de Lucio Costa com o leitor. Num tom leve, próprio de quem viu Brasília ser criada em casa. Ainda jovem, na flor dos seus 20 anos, a arquiteta e urbanista Maria Elisa ajudou o pai a pregar os croquis do Plano Piloto com fita adesiva em um mural de papel. “Meu pai nasceu, para a maioria das pessoas, em 21 de abril de 1960, com Brasília. Mas ele, no Rio, já era considerável, muito conhecido”, contou.

As primeiras páginas trazem, inevitavelmente, fatos da inauguração de Brasília e o peso histórico desse processo. Porém, a sequência do livro começa a desenhar, em descrições informais de Maria Elisa, a personalidade de Lucio. Generoso, bem-humorado e dono de pensamentos ilimitados. “Um homem que veio de Marte, desenhou e voltou para lá”, destacou a filha, em tom de brincadeira.

Prevenido
Maria Elisa conta que a desculpa para levar o casaco pendurado no ombro mesmo com sol a pino estava sempre na ponta da língua. “Ele saía andando, jogava o casaco sobre o ombro e falava: ‘Nunca se sabe o frio que faz no frescão (ônibus que pegava no Rio)’”, lembra a filha, ao dizer que Lucio Costa não abria mão de andar no coletivo. Esses e outros comportamentos estarão nas páginas do livro. O jeito de falar, expressões, tudo é registrado para trazer um dos principais personagens da capital para mais perto das pessoas. “O que me motivou foi ver o carinho que as pessoas daqui têm por ele”, explica Elisa.

Imperdível
» Lançamento do livro Lucio Costa, inventor de Brasília
» Clube do Choro, hoje, a partir das 18h
» Evento aberto ao público
» Preço do livro: R$ 40

CorreioBraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.