Lista com mais de 300 nomes de supostas prostitutas vaza na internet

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Oito delas são de Brasília e relatam que as ligações e as mensagens vêm em centenas e a frequência é tanta que os celulares chegam a travar

listaDesde a última quarta-feira, circula na internet uma lista com 301 nomes e telefones de mulheres de 12 Estados e do Distrito Federal. No título, elas são definidas como “piranhas”, profissionais do sexo, separadas em normais e de luxo e com preços distintos de programas. Após a divulgação nas redes sociais, as mensagens e as ligações para elas – pelo menos duas estudantes e uma nutricionista – não param.

Entre elas, oito moram em Brasília. Uma delas, de 19 anos, diz que o telefone chega a travar tantas são as mensagens que chegam no Whatsapp. “Tive que excluir o aplicativo”, conta. “Mesmo assim, mandam mensagem e ligam.” A garota afirma que a lista começou em janeiro e que ela e as outras sete acham que foi um conhecido em comum delas. “Começou como uma brincadeira, as mais bonitas de Brasília e todo lugar, e agora virou isso de prostituição”, reclama.

Após mais de 500 mensagens de Whatsapp e 60 ligações, algumas agressivas – “um morador de Teresina (PI) me ligou, eu neguei que era prostituta e ele ficou enfurecido. Disse que eu o estava enganando”, recorda -, ela e uma amiga, também presente na lista, decidiram ir à polícia. Na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), tentaram registrar um Boletim de Ocorrência, mas os policiais afirmaram que elas precisavam encontrar um site com a lista ou mudar de chip, pois eles não poderiam fazer nada sobre o Whatsapp. “Acho um absurdo eu ter de mudar algo meu, já que a culpa não é minha”, disse a amiga.

A dupla relata que, na Deam, os policiais afirmaram ter cerca de 15 denúncias do mesmo tipo. Embora a Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom) não tenha um número exato de ocorrências, informou, por meio de nota, um registro na 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul). A denunciante tem 21anos e faz as mesmas reclamações das ouvidas pela reportagem. Segundo a Divicom, “a ocorrência foi devidamente registrada e está em apuração na Seção de Investigação da unidade policial”.

Correiobraziliense

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp