Líderes avisam que CPMF não passa na Câmara e pressionam por indicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Em reunião com Temer, líderes dos partidos da base avisam que a proposta de recriação da CPMF não passa na Câmara

Os líderes do chamado centrão — bloco parlamentar formado por 13 partidos e que pode chegar a 295 congressistas, se contar com a adesão do PMDB — impôs ontem o primeiro revés ao governo de Michel Temer. Em reunião com o presidente interino, eles avisaram que a proposta de recriação da CPMF, o imposto sobre transações financeiras, não passará em hipótese nenhuma na Câmara. O mesmo conjunto de deputados quer empurrar goela abaixo do Planalto outro abacaxi: a escolha do deputado André Moura (PSC-SE) para o cargo de líder do governo.

A proposta de sepultar a CPMF neste momento serviu para unificar o discurso da base, que conta ainda com o PSDB, DEM, PSB e PPS. Mas a escolha de André Moura causa uma cizânia nos partidos que dão sustentação a Temer na Casa. “É claro que a indicação do André tem o dedo do Eduardo Cunha. Se ele for nomeado líder do governo na Casa, a cassação de Cunha não andará nunca”, alertou o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR).

Antes da reunião no Planalto, correu a informação de que os líderes aliados levariam a Temer um abaixo-assinado com quase 300 assinaturas demonstrando apoio a André Moura. Levando-se em conta que, durante a votação do impeachment na Câmara, Temer contou com 367 votos favoráveis ao afastamento de Dilma Rousseff, a intenção, em tese, era emparedar o peemedebista e forçá-lo a anunciar o nome do afilhado de Eduardo Cunha.

O grupo recuou na última hora, mas continua não achando constrangedor que o novo governo tenha como líder na Casa um deputado tão afinado com o presidente afastado da Câmara. “Não vejo constrangimento nenhum. Um líder do governo precisa, sim, ter bom trânsito entre todos os parlamentares. Isso o André tem”, afirmou o líder do PSD, Rogério Rosso (DF).

O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, negou que tenha sido batido o martelo quanto a uma indicação para a liderança do governo. “O presidente não recebeu indicação de líderes. Este assunto será negociado, tratado, mas é prerrogativa do presidente”, disse. O governo estuda uma terceira via que fuja à indicação de Moura e de Rodrigo Maia, que seria a opção capitaneada por DEM e PSDB. “Enquanto o presidente não designa quem vai exercer a liderança, os líderes dos partidos tocarão a pauta sem nenhuma dificuldade, não tenho dúvida disso”, afirmou Geddel.

Em relação à CPMF, o Planalto concordou em recuar na defesa da volta do imposto neste momento. Temer, inclusive, avisou que vai retirar o projeto sobre o tema que tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

CorreioBraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.