Justiça condena Estado chileno a indenizar famílias de vítimas da ditadura de Pinochet

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Corte Suprema do país determina responsabilidade do Estado e estabelece indenização de cerca de 5,6 milhões de reais às famílias de quatro desaparecidos

A Corte Suprema do Chile condenou o Estado a indenizar as famílias de quatro desaparecidos durante a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990). O total da indenização foi estipulado em 1 bilhão de pesos chilenos, equivalentes a 5,6 milhões de reais.

A sentença estabeleceu que o desaparecimento e a morte de quatro pessoas por agentes da ditadura entre 1973 e 1974 constituem “delitos criminais de lesa humanidade, sendo portanto imprescritíveis e não passíveis de anistia nos aspectos penal e civil”.

Receberão a indenização as famílias de Luis Guajardo Zamorano, que desapareceu no dia 20 de julho de 1974 vítima da Operação Colombo, que assassinou 119 opositores de Pinochet;  Miguel Rojas e Gilberto Rojas, pai e filho detidos por militares chilenos em 13 de outubro de 1973 e nunca mais vistos; e Juan de Dios Salinas Salinas, detido em 14 de setembro de 1974.

A Corte destaca que, “dado o contexto em que o ilícito foi verificado com a intervenção de agentes do Estado”, o Estado chileno “não pode eludir sua responsabilidade legal de reparar tal dívida”.

“Não cabe senão concluir que o dano moral causado pela conduta ilícita dos funcionários ou agentes do Estado, autores dos ilícitos de lesa humanidade em que se funda a presente ação, deve ser indenizado pelo Estado”, conclui a declaração.

Segundo dados oficiais, a ditadura militar chilena deixou mais de 3.200 mortos e torturou cerca de 38 mil pessoas.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.