Jovem presa por atropelar operário é transferida para penitenciária

0
76

Estudante, que está há um dia detida, só pode ser libertada por ordem judicial

Após um dia presa, a universitária Larissa Pinheiro Correia, de 22 anos, que atropelou um operário que trabalhava na manutenção da BR-153, foi transferida nesta sexta-feira (8) da delegacia para a Penitenciária Odenir Guimarães (POG), em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Ela só pode ser libertada com autorização judicial.

O acidente aconteceu na quinta-feira (7). Larissa, que vestia apenas calcinha e blusa, dirigia o carro que atropelou Daniel de Souza Rocha, de 23 anos. O rapaz foi socorrido e encaminhado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde segue internado.

Conforme boletim médico divulgado nesta manhã, o paciente está em estado regular e se recupera da cirurgia nas pernas, onde teve fraturas expostas. Ele está consciente e respira espontaneamente.

Embriaguez
De acordo com a polícia, a jovem perdeu o controle da direção, atingiu cones e placas de sinalização e atropelou o funcionário. O carro só parou ao bater na traseira do caminhão da empresa.

A motorista foi submetida ao teste do bafômetro que apontou 0,35 miligramas de álcool por litro de ar expelido, comprovando a embriaguez. Porém, segundo a PRF, mesmo desnorteada, ela tentou burlar o exame.

“Ela estava tentando driblar [o exame], não expeliu a quantidade de ar necessária. Com certeza, se ela fizesse o teste correto daria uma quantidade muito maior do que essa constatada”, disse o inspetor Felisberto Tavares.

Em um vídeo, gravado enquanto a jovem recebia atendimento médico, um policial perguntou se ela havia bebido. A estudante, que estava vestida apenas com calcinha e blusa, respondeu: “Bebi é claro!”

Em seguida, ao ser questionada sobre o período em que esteve bebendo, a jovem disse: “Desde às 23h [de quarta-feira (6)]”. Ela também informou que havia saído de uma boate e perguntou ao agente que horas eram. “Três horas da manhã”, respondeu ele.

Investigação
Após receber atendimento médico, a jovem foi presa em flagrante e levada para a Delegacia Especializada em Investigação de Crimes de Trânsito de Goiânia (Dict). Depois de prestar depoimento, foi conduzida a uma cela feminina do 14º Distrito Policial de Goiânia, onde esteve detida até o final da manhã desta sexta-feira (8).

De acordo com a delegada Adriana Carvalho, Larissa será autuada por tentativa de homicídio. “Ela deve responder por esse crime devido à gravidade da conduta que ela adotou. Isso a partir do momento em que ela saiu dirigindo embriagada e se deparou com a situação como a que estava na rodovia, que era um trecho de obras longo, bem sinalizado, mas que ela não respeitou nenhuma sinalização”, afirmou.

Segundo a delegada, em função da tipificação do crime, não cabe fiança e a jovem ficará detida até que a Justiça analise o caso. “A autoridade policial não pode arbitrar essa fiança, já que foi optado pelo crime de tentativa de homicídio. Sendo assim, só o Poder Judiciário poderá decidir se ela deve ter direito à liberdade ou deve permanecer presa preventivamente, assim como definir o tempo da pena, caso ela seja condenada”, destacou.

A 7ª Vara Criminal de Goiânia informou, por telefone, ao G1 que recebeu um documento elaborado pela defesa de Larissa Correia. Porém, não divulgou o teor da medida que, segundo a assessoria, já está sendo analisada pelo juiz Oscar de Oliveira Sá Neto.

G1