Ipespe/Ibope mostra Lula com liderança consolidada na corrida eleitoral

Da Redação
28/11/2021 - 05:57
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Ipespe/Ibope mostra Lula com liderança consolidada na corrida eleitoral

Se a eleição fosse hoje, o ex-presidente Lula (PT) ganharia de todos os candidatos com uma boa margem de diferença, revela pesquisa do instituto Ipespe, formado por ex-executivos do antigo Ibope. A pesquisa foi dilvulgada nesta sexta-feira (26) no perfil Central Eleitoral – @CentralEleicoes – do Twitter.

No primeiro turno Lula teria 42% contra 25% de Jair Bolsonaro (ex-PSL). Bem atrás viriam o ex-juiz que o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou parcial, Sérgio Moro (Podemos), com 11%; Ciro Gomes (PDT-CE), 9%; o governador João Doria (PSDB), 2%. O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) e o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD-MG), teriam apenas 1%.

Pesquisa Presidencial Ipespe, 22 a 24 de novembro.

Cenário 1:
Lula 42% (+1)
Bolsonaro 25% (-3)
Moro 11% (+3)
Ciro 9% (-)
Doria 2%
Mandetta 1%
Pacheco 1%
D’A´vila 1%
Branco/Nulo: 7%
Não sabe: 2%

Margem de Erro: 3,2 p.p.

Cenário 2, com Eduardo Leitepic.twitter.com/6BUgVsVLJD— Central Eleitoral (@CentralEleicoes) November 26, 2021

No caso de ser realizado um segundo turno das eleições presidenciais em 2022, Lula venceria todos os candidatos. O ex-presidente alcançaria 52% dos votos se a disputa for contra Bolsonaro, que teria 32%.

Se a disputa for contra Moro (34%), Lula teria 51% dos votos. Se for contra Ciro (27%), Lula alcançaria 50% dos votos. E contra Doria (22%), Lula teria 51% dos votos.

Pesquisa Presidencial Ipespe, 22 a 24 de novembro.

Principais cenários de 2º Turno:
A
Lula: 52% (-)
Bolsonaro 32% (-)

B
Lula: 51% (-)
Moro 34% (-)

C
Lula: 50% (+1)
Ciro 27% (-2)

D
Lula: 51% (-)
Doria 22% (-1) pic.twitter.com/ClioxUbmFi— Central Eleitoral (@CentralEleicoes) November 26, 2021

A pesquisa, realizada entre os dias 2 e 24 de novembro, foi encomendada pela XP, que optou por não assinar mais o levantamento. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.