Ibope: Dilma 38%, Aécio 23%, Campos 9%

0
37

Pesquisa Ibope mostra estabilidade na corrida presidencial. Dilma manteve os 38%, enquanto Aécio foi de 22% a 23%. Eduardo Campos oscilou de 8% a 9%. Confira os números abaixo em detalhes

5_candidatosPesquisa Ibope divulgada na quinta-feita, 7, encomendada pela TV Globo, mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) com 38% das intenções de voto, mesmo percentual registrado em julho. Em seguida, aparecem os candidatos Aécio Neves (PSDB), com

23% (em julho eram 22%); e Eduardo Campos (PSB), com 9%, (no mês passado eram (8%).

A pesquisa eleitoral Ibope divulgada ontem para a corrida presidencial de 2014 demonstram os números um cenário eleitoral estável, sem variações significativas. A última pesquisa do instituto havia sido publicada no dia 23 de julho.

O nível de confiança da pesquisa é 95%, com margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O candidato Pastor Everaldo (PSC) aparece com 3% das intenções de voto, mesmo percentual do mês passado. Eduardo Jorge (PV) e Luciana

Genro (PSOL) tiveram 1% cada um, mantendo o resultado de julho. Zé Maria (PSTU), que antes tinha 1%, Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) têm cada um menos de 1% das intenções de voto.

Votos brancos e nulos somaram 13%. Não responderam ou não sabem, 11%.

O Ibope também fez simulações de segundo turno. Na possível disputa entre Dilma Rousseff e Aécio Neves, a candidata petista aparece com 42% das intenções de voto e o tucano, com 36%. No mês passado, esses números eram 41% e 33%, respectivamente. Brancos e nulos somam 15%. Não souberam ou não responderam, 7%. Em julho eram 18% e 8%, respectivamente.

Segundo turno

Na simulação de segundo turno entre Dilma e Eduardo Campos, a candidata do PT aparece com 44% das intenções de voto e Campos com 32%. No mês passado essas porcentagens eram 41% e 29%. Brancos e nulos, 16%, contra 20% em julho. Não

souberam ou não responderam, 8%, eram 10% em julho.

Avaliação do governo

O instituto também divulgou a avaliação do governo. Os que avaliaram o governo como ótimo ou bom somaram 32% em agosto (eram 31% em julho).