Greve dos servidores será ampliada no DF a partir de hoje

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Um dia depois do início da paralisação dos funcionários da saúde, 32 categorias se unem hoje ao movimento

A reunião entre dirigentes do governo e sindicalistas durou menos de 20 minutos e, como o Executivo local não recuou da decisão de pagar os benefícios aos servidores apenas em maio do ano que vem, 32 categorias organizam greve geral a partir de hoje. Órgãos como Departamento de Trânsito (Detran-DF) e Na Hora deverão suspender o atendimento. Também não haverá aulas. Ontem, quem recorreu à rede pública de saúde enfrentou diversos gargalos. Os profissionais da área foram os primeiros a iniciar a greve. Pacientes que tinham cirurgias e consultas agendadas voltaram para casa sem atendimento. Apenas casos de emergência tiveram prioridade. Alguns hospitais recusaram receber doentes. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) operou com 50% das ambulâncias. Hoje, os servidores voltam a se reunir em assembleia para definir os rumos do movimento.

A movimentação nos hospitais transitou por dois extremos: de um lado, prontos-socorros lotados; do outro, pacientes dispensados ainda no portão. Em Brazlândia, a triagem não funcionou e a espera chegou a oito horas no hospital daquela cidade. “Não explicaram como estão atendendo. Aqui, normalmente é cheio, mas hoje (ontem) está insustentável”, reclamou o assistente administrativo Luís Alberto Ferreira, 29 anos. Ele chegou às 7h e às 16h ainda não tinha previsão de atendimento. “O que acontece nos hospitais é uma calamidade.”

A 65km dali, no Hospital Regional de Planaltina (HRP), pacientes aguardavam nervosos. Doentes não receberam medicação. Não havia técnico em enfermagem para administrar a dosagem dos remédios. “Nenhum paciente novo deu entrada. Os que já estavam lá estão sendo acompanhados na medida do possível. As pessoas eram aconselhadas a voltar para casa ou a procurar postos de saúde”, contou o aposentado Palmerom Carvalho Sousa, 70, que tinha uma consulta marcada.

Para a aposentada Maria Aparecida Alves Oliveira, 81, e a neta Elayne Ferreira, 12, a quarta-feira foi de peregrinação. Acordaram às 4h, saíram do Arapoanga com a intenção de conseguirem atendimento no HRP. Elas permaneceram na unidade por volta de duas horas. Sem o encontro com o médico, recorreram ao Centro de Saúde nº1 daquela cidade. Por volta das 11h, aguardavam o ônibus para voltar para casa.

Correiobraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.