Graça Foster: Brasil será autossuficiente em petróleo em 2015

fosterCom o sucesso do pré-sal, que acaba de ultrapassar a marca de 500 mil barris produzidos diariamente, o Brasil será autossuficiente em petróleo a partir do ano que vem e a Petrobras iniciará um período virtuoso marcado pelo aumento de sua produção, redução de seu endividamento, fluxo de caixa positivo e valorização no mercado de ações. Essa projeção foi feita pela presidente da Petrobras, Graça Foster, durante conversa com jornalistas e blogueiros realizada terça-feira (1) na sede da empresa no Rio de Janeiro.

Acompanhada pelo diretor de Exploração e Produção da Petrobras, José Formigli, e visivelmente decidida a rechaçar aquilo que qualificou como “ambiente de pessimismo” em relação à empresa alimentado por políticos e veículos de mídia que fazem oposição ao governo federal, Graça falou também sobre a necessidade de reajuste dos preços dos combustíveis e, em um recado direto aos pessimistas, garantiu que “a Petrobras vai muito bem”.

Segundo a executiva, o atual quadro de endividamento da Petrobras, tão criticado pela oposição, é passageiro e está sob o controle da direção da empresa: “A Petrobras teve um grande endividamento nos últimos anos, mas é um endividamento para o crescimento da companhia, não é para pagar conta. Muitas dívidas da Petrobras vencem em 2017 e 2018, anos em que a nossa produção, que já cresceu, ficará maior ainda. Nós teremos fluxo de caixa positivo a partir do ano que vem. Vamos gerar mais caixa e investir menos, ou melhor, vamos continuar investindo, mas a nossa geração de receitas será muito maior”, disse Graça Foster.

A presidente da Petrobras enumerou as três “premissas” que, segundo ela, possibilitarão a concretização desse cenário otimista: “Uma política de reajuste de combustíveis, um plano de desinvestimentos e um plano de reestruturação financeira. Estamos trabalhando para modificar o modelo financeiro da Petrobras de tal forma que a gente tenha mais produção de petróleo, mais refinados, uma geração de caixa mais alta e um investimento no mesmo patamar que tivemos no ano passado, que foi US$ 45 bilhões”.

Ações

Graça disse também não ter nenhuma dúvida de que as ações da Petrobras estão atualmente cotadas abaixo de que poderiam, mas não quis fazer um prognóstico de quanto seria uma eventual valorização ou de quando ela ocorrerá: “A Petrobras tem que fazer sua parte, que é entregar essa produção, entregar esse refino e fazer o atendimento aos indicadores financeiros estabelecidos pelo Conselho de Administração, que são a diminuição do endividamento líquido, a produção maior, o refino maior e reajustamento de preços”, disse.

A valorização das ações, disse Graça, acontecerá naturalmente: “Tendo a produção e o refino aqui mesmo no Brasil, tendo produtividade e redução de custos e trabalhando a eficiência de nossas unidades e processos, teremos uma receita maior, com um investimento em torno de US$ 40 bilhões anuais por alguns anos. Teremos receita, receita, receita. Essa é a diferença. Quando se entrega a produção, se entrega o refino e o investimento é igual ou menor, você tem uma receita muito maior e um resultado melhor, com mais dividendos para entregar aos acionistas. Uma vez que a gente harmonize isso, eu tenho certeza que as ações da Petrobras serão adequadamente valorizadas. Acontecerá uma valorização natural das ações”.

Reajuste

Graça Foster rebateu também as acusações de que a Petrobras estaria evitando reajustar o preço dos combustíveis com o intuito de não prejudicar o governo em ano eleitoral. Ela disse que os reajustes fazem parte da política estabelecida pela empresa e têm acontecido regularmente: “Há que se ter esse ajustamento de preços, e ele tem acontecido. Entre 2011 e 2013, tivemos dez reajustes de preço. O diesel cresceu 34,3% e a gasolina cresceu 38,6%”, disse. A executiva, no entanto, admitiu que alguns ajustes ainda poderão ser feitos: “Existe defasagem de preço, mas trabalhamos para buscar essa convergência. O preço do combustível do Brasil não está parado”.

Posto isso, disse Graça, a postura da Petrobras em relação ao preço dos combustíveis permanecerá sempre cautelosa: “Temos a obrigação de ficar atentos, de não passar ao mercado interno essas volatilidades – variação do câmbio, guerras, etc – porque temos cuidado e zelo com esse mercado. Todo esse trabalho é muito bem concatenado, esse mercado é precioso para nós. Eu tenho que cuidar desse mercado e continuar a atender os interesses dos acionistas minoritários para que eles continuem a acreditar na Petrobras como sempre acreditaram”.

Boa saúde

Em relação à saúde financeira da Petrobras, Graça Foster disse que ela “está muito bem” e deu “duas grandes razões” para isso: “Estamos bem pelo volume de petróleo que temos nas nossas reservas – esse excedente da cessão onerosa faz a diferença pra nós – e por esse mercado fabuloso que nós temos. Nós temos praticamente 100% do mercado de combustíveis no Brasil, em uma economia onde o consumo cresce. Estamos produzindo no Brasil, muito próximo desse mercado consumidor. Então, existe uma série de vantagens que são extremamente positivas para a Petrobras”.

Graça lembrou que, apesar de parte do noticiário sobre a empresa martelar a questão da queda de produtividade, a Petrobras vem sendo citada recentemente de forma positiva em diversos relatórios internacionais sobre o setor de óleo e gás. É o caso do estudo elaborado pela prestigiada empresa inglesa de consultoria Evaluate Energy, que aponta a Petrobras como a única empresa de petróleo de grande porte que nos últimos seis anos registrou crescimento em sua produção: “Tivemos queda de 20 mil barris de um ano para o outro. Isso dá mais ou menos 3%. Uma das majors, que produz quatro milhões de barris, perdeu 400 mil. Isso sim é uma perda relevante”, disse Graça.

A presidente da Petrobras negou que o desempenho da empresa tenha ficado estagnado durante o atual governo: “Não se pode atribuir a perda de produção a um governo especificamente. Alguns megaprojetos levam até dez anos para entrar em operação. Existem descobertas e planejamentos, e isso leva tempo. Não daria tempo para que – no governo de a, de b ou de c – você tenha um prejuízo, tenha uma perda de produção, porque esses ciclos são de seis, oito anos”.

Entre as cinco

Graça revelou que o Planejamento Estratégico para 2030 da Petrobras tem como meta colocar a estatal brasileira entre as cinco maiores produtoras de petróleo do mundo: “A maior produtora hoje, a ExxonMobil, produz 4,2 milhões de barris por dia, tem o dobro da nossa capacidade. Nós temos 16 bilhões de barris de óleo equivalente em reservas provadas, outros onze bilhões de barris em volumes potencialmente recuperáveis e mais alguma coisa em torno de doze bilhões de barris em poços diversos. São números muito relevantes. Em 2020, projetamos produzir 4,2 milhões de barris de petróleo por dia”, disse.

Após a comemoração pelos 500 mil barris de petróleo diários no pré-sal, que teve a presença da presidenta Dilma Rousseff, a próxima festa na sede da Petrobras poderá ser feita após a conquista da autossuficiência: “Se tudo correr bem, o Brasil vai estar autossuficiente volumetricamente no ano que vem. Em 2015, o Brasil volta a produzir e refinar tudo aquilo que consome volumetricamente. Em relação à produção do pré-sal, a Petrobras festejou não por aquilo que ainda vai fazer, mas pelo o que já está fazendo. A festa veio do trabalho, mas a gente ainda tem um desafio enorme”, disse Graça Foster.

Além da Carta Maior, participaram da conversa com a presidente da Petrobras os jornalistas e/ou blogueiros Luís Nassif (Luís Nassif On-Line), Altamiro Borges (Blog do Miro), Alisson Matos (Conversa Afiada), Eduardo Guimarães (Blog da Cidadania), Marco Midani (Brasil247), Fernando Brito (Tijolaço) e Miguel do Rosário (O Cafezinho).

Cartamaior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios