Goinfra executa obras em estradas rurais e nas ruas de Cavalcante, no Nordeste goiano

Ações garantem trafegabilidade a vias que dão acesso a Sítio Histórico, povoados do Engenho e do Vão do Moleque, Quilombo São Domingos, morros e complexo de cachoeiras do Rio da Prata

Da Redação
08/06/2022 - 08:59
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Goinfra executa obras em estradas rurais e nas ruas de Cavalcante, no Nordeste goiano

Programas executados pela Goinfra, Patrulhas Mecânicas Regionais e Goiás em Movimento – Eixo Municípios transformam a realidade da cidade, que foi bastante afetada pelas chuvas do início do ano. Ações garantem trafegabilidade a vias que dão acesso a Sítio Histórico, povoados do Engenho e do Vão do Moleque, Quilombo São Domingos, morros e complexo de cachoeiras do Rio da Prata

O Governo de Goiás está presente em Cavalcante, no Nordeste goiano. Depois de promover serviços de melhorias em mais de 100 quilômetros de estradas municipais, na zona rural, neste mês de junho, a Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra) executa obras de recuperação asfáltica e sinalização em ruas da zona urbana, por meio do programa Goiás em Movimento – Eixo Municípios. “É um trabalho nunca visto por aqui e que chega pelas mãos de uma gestão que governa com o coração e que busca sempre ampliar as oportunidades de crescimento para o cidadão goiano”, ressalta o prefeito Vilmar Kalunga.

Iniciadas na última semana, as obras do Eixo Municípios em Cavalcante serão executadas em 14 ruas situadas em dois bairros da cidade, sem qualquer custo para a prefeitura cavalcantense. Vão ser quase 36 mil metros quadrados de nova capa asfáltica, com sinalização horizontal, com investimento de aproximadamente R$ 1,4 milhão.

Em maio, a Goinfra levou o Patrulha Mecânica Regional para a cidade. Foram disponibilizados 14 maquinários, operários e combustível, tudo por conta do Governo de Goiás, para realizar terraplenagem, levantamento de greide e solução de pontos críticos em vias municipais não pavimentadas. A ação beneficiou a população que, majoritariamente, reside na zona rural, e restabeleceu a trafegabilidade em estradas que levam ao Sítio Histórico, povoados do Engenho e do Vão do Moleque, Quilombo São Domingos, morros e complexo de cachoeiras do Rio da Prata.

Nos primeiros meses de 2022, Cavalcante viveu situação de calamidade pública por conta das chuvas. “A cheia dos rios causou danos graves às nossas vicinais e condicionou boa parte dos nossos 10 mil moradores ao isolamento geográfico”, recorda o prefeito Vilmar Kalunga. “O governador e o presidente da Goinfra conheceram o nosso sofrimento de perto e tiveram a ideia desse enviar a Patrulha, que foi fundamental na retirada de mais de 500 famílias do isolamento e no resgate das nossas possibilidades de desenvolvimento.”

Os trabalhos executados pela agência reduziram o tempo de viagem até as comunidades mais distantes do centro da Cavalcante. “Antes, levávamos cerca de seis horas para percorrer esse caminho. Hoje, esse trajeto pode ser feito em menos de duas horas”, compara o gestor.

O presidente Pedro Sales destaca que as estradas da região possuem grande importância para o desenvolvimento do potencial turístico do Nordeste goiano, da pecuária de corte e de leite e para a permanência do homem do campo e dos jovens na região. “Toda essa transformação é sinônimo de geração de divisas para os cofres municipais, emprego e renda”, pontua.

Dona Tereza Cesário de Torres, lavradora, confirma essa mudança na realidade do caminho para o Vão do Moleque: “moro há mais de 50 anos por aqui e já via a hora de cair dentro de um buraco. Agora, a estrada está boa demais”. Santino dos Santos, também lavrador, conta que já havia perdido as esperanças de ver obras com esse nível de qualidade. “Até de moto, eu demorava muito para chegar ao trabalho. Com a estrada boa, isso é muito mais rápido. E, passando na porta da casa da gente, é melhor ainda”, comenta.

Florêncio dos Santos, trabalhador rural, espera por essas obras há mais de 10 anos. “Na verdade, isso nunca tinha virado estrada. Agora, sim, pode vir a chuva que vier, que não leva o que foi feito por aqui. Fizeram bueiros, contenções, valetas para escoar a água. Ficou 100%”, aprova.

Fotos: Líbia Cerutti – Goinfra