Felipe Massa anuncia aposentadoria da Fórmula 1 ao fim desta temporada

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Foram 15 anos de Fórmula 1, sendo 14 deles como titular. A trajetória de Felipe Massa na principal categoria do automobilismo mundial foi escrita com vitórias marcantes, derrotas doídas, um gravíssimo acidente e o gostinho, mesmo que por alguns segundos, de ser campeão – naquela histórica decisão em Interlagos 2008, cujo título ficou com Lewis Hamilton. E a história do brasileiro de 35 anos na F1 tem data marcada para o capítulo final: será no dia 27 de novembro, no GP de Abu Dhabi. Com contrato se encerrando com a Williams ao fim da temporada e sem perspectivas de uma equipe competitiva para ano que vem, Massa anunciou que não continuará na categoria em 2017. O anúncio foi feito nesta quinta-feira em uma coletiva de imprensa no Autódromo de Monza, que neste fim de semana recebe o GP da Itália. Na primeira fila, a presença do pai Titônio, da esposa Rafaella e do filho Felipinho já denunciava que um anúncio importante seria feito.

– Estou mais nervoso do que em todas as minhas largadas! Depois de 27 anos competindo, desde quando comecei no kart, e após 15 anos na Fórmula 1, esta será a minha última temporada. Serão minhas últimas oito corridas na F1 e eu as curtirei o máximo possível. Muito obrigado a todos que estiveram ao meu redor e que acompanharam minha carreira. Estou orgulhoso de minha carreira, mesmo tendo perdido um campeonato por um ponto – disse.

Felipe Massa tem 242 GPs na Fórmula 1. Agora começa a contagem regressiva. Serão oito corridas até o fim da temporada, totalizando 250 na carreira. Dos 30 brasileiros que passaram pela categoria, ele é um dos seis que conquistou vitórias: 11 no total, o que o coloca como o quarto do país com mais triunfos, empatado com Rubens Barrichello, e atrás apenas de Ayrton Senna (41), Nelson Piquet (23) e Emerson Fittipaldi (14), à frente de José Carlos Pace (1). Duas das vitórias foram no Brasil, repetindo Senna, Piquet e Emerson. São também 16 pole positions, 15 melhores voltas e 41 pódios. Apesar de sair da F1, Massa não deve deixar as pistas. O veterano não definiu ainda uma categoria específica, mas deixou claro o desejo de seguir competindo.

– Tenho 35 anos e estou me aposentando! Não me sinto tão velho para me aposentar, mas esporte é isso! Eu amo correr. Terei tempo para seguir correndo. Talvez em outro campeonato… Fazer o que gosto – explicou.

O brasileiro fez o anúncio ao lado de Claire Williams, chefe da equipe inglesa pelo pai Frank Williams. Ele chegou ao time em 2014. No ano anterior, a tradicional escuderia havia enfrentado a pior temporada de sua história. A aposta no brasileiro se mostrou acertada. Lançando mão de sua experiência, Massa ajudou a equipe a voltar a ser grande na F1 e a Williams foi terceira nos Mundiais de Construtores nas duas últimas temporadas.

– Fico feliz de ter feito parte desta equipe. A Williams teve um momento difícil e juntos fomos capazes de conseguir fantásticos resultados nas duas últimas temporadas – lembra o piloto.

Massa explicou porque escolheu anunciar seu futuro na Itália, país que o acolheu por muitos anos, durante passagem dele pela Ferrari, escuderia onde é querido até hoje. Foi em homenagem a Michael Schumacher, com quem fez dupla em 2006. Naquele ano, também em setembro, o heptacampeão anunciou sua primeira aposentadoria da F1, fato que abriu caminho para o brasileiro crescer na equipe.

– Eu escolhi este lugar porque dez anos atrás Michael anunciou sua aposentadoria. O único jeito de eu continuar na equipe era ele parar. Ele escolheu isso e me deu a oportunidade de ficar – lembra.

Carreira é marcada por “quase título” em 2008 e acidente grave em 2009

Massa estreou na F1 em 2002. Campeão da F-Renault europeia e italiana em 2000 e da F3000 europeia em 2001, o brasileiro chamou a atenção da Ferrari, que assinou contrato com ele e o colocou na Sauber. Em seu ano de estreia pelo time suíço, Massa acabou contrariando o chefão Peter Sauber ao se recusar a dar posição ao companheiro Nick Heidfeld em uma corrida, perdendo lugar na equipe na temporada seguinte. Com isso, teve que passar o ano de 2003 apenas como piloto de testes da Ferrari. Mais maduro, foi emprestado novamente a Sauber em 2004 e 2005.

Em 2006, enfim ingressou na escuderia do cavalinho rampante como titular, no lugar de Rubens Barrichello. Naquele ano, foi companheiro de Michael Schumacher, com quem criou uma relação fraternal – o alemão o chamava de “irmão mais novo”, e venceu as primeiras corridas na F1. Com a primeira aposentadoria do heptacampeão no fim daquela temporada, passou a dividir a atenção da equipe com Kimi Raikkonen. Em 2007, chegou a disputar o título durante boa parte do ano e ajudou o finlandês a ficar com a taça.

Em 2008, teve seu auge. Superou Kimi com facilidade e disputou o título ponto a ponto com Hamilton. Após alternar vitórias e infortúnios, protagonizou uma das decisões de título mais emocionantes da história em Interlagos. Massa cruzou a linha de chegada como campeão, mas perdeu o título quando Hamilton superou Timo Glock na última curva da corrida. Em 2009, sofreu o acidente mais grave da carreira ao ser atingido por uma mola que se desprendeu do carro de Rubens Barrichello. Voltou às pistas em 2010, onde encarou a forte concorrência interna de Fernando Alonso até 2013 e enfrentou dificuldades para se sobressair. Em 2014, se mudou para a Williams. A ida para a equipe inglesa revigorou a carreira de Massa. No time inglês, o brasileiro voltou a ter boas atuações. Diante da soberania da Mercedes, não voltou a vencer corridas, mas subiu ao pódio mais cinco vezes e ainda conquistou uma surpreendente pole na Áustria, em 2014.

GE

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.